Tendência

O modelo de economia circular: melhores práticas para o ecommerce

Sorana Gheorghiade
Sorana Gheorghiade September 9, 2021
O modelo de economia circular: melhores práticas para o ecommerce

A economia circular tornou-se um termo extremamente popular nos últimos anos. É vista como a solução para a atual crise ambiental mundial, que é mais grave do que a pandemia, mas às vezes fica em segundo plano em relação a outros assuntos globais. 

Como seu nome sugere, este tipo de economia requer um sistema contínuo de produção e reutilização de recursos e resíduos que podem ser utilizados em muitos segmentos, desde a indústria de alimentos gourmet até a indústria automotiva e de energia. Já existem iniciativas a este respeito, embora em uma escala pequena ou média.

O escopo da economia circular é interromper o ciclo clássico de produção – matéria-prima – processamento – consumo – desperdício. Especificamente, quer pegar o desperdício e colocá-lo de novo em produção. Assim, o ciclo fica mais ou menos assim: matéria-prima – processamento – consumo – reutilização dos resíduos na produção. E então o processo recomeça do início.

Este artigo analisa os grandes princípios da economia circular, explica por que ela é tão importante para o mundo e também para as empresas ao nosso redor, e como ela está conectada às compras online e ao ecommerce. 

Economia circular: nada se perde, tudo de transforma

Em primeiro lugar, o conceito de economia circular surgiu como uma resposta ao anseio pelo crescimento sustentável à luz da (sobre)produção e do consumo (excessivo) de recursos naturais. Até agora, a economia tem funcionado principalmente no modelo de aquisição-produção-descarte, um modelo linear através do qual cada produto tem uma vida útil limitada, como demonstrado abaixo: 

  • 90% das matérias-primas utilizadas na produção na Europa tornam-se resíduos antes que o produto deixe a fábrica;
  • 80% dos produtos fabricados na Europa são jogados fora nos primeiros seis meses da sua existência;
  • US$ 700 milhões é o valor anual de economia de custos de material que poderia ser realizado na acelerada indústria de bens de consumo com a implementação de uma nova economia circular. 

Materiais valiosos são utilizados na preparação de alimentos, na construção e na infraestrutura de edifícios, na fabricação de bens de consumo ou no fornecimento de energia – basicamente, em todos os lugares. Uma vez consumidos ou não mais necessários, eles são descartados como lixo. Entretanto, devido ao crescimento populacional e ao aumento do poder de compra, a demanda por recursos limitados é mais alta do que nunca e leva à degradação do meio ambiente. Agora é a hora de abrigar esses recursos e equipar as empresas com as ferramentas adequadas para aderir a um modelo de economia circular.

Matérias-primas e seu reuso

Podemos entender melhor o conceito de economia circular se olharmos para sistemas naturais, vivos, que funcionam perfeitamente porque cada parte deles é uma parte de um todo. Os produtos são intencionalmente projetados para se ajustarem a determinados ciclos de materiais, e estes materiais têm um fluxo que mantém seu valor agregado pelo maior tempo possível e reduz o desperdício residual a quase zero.

A transição para uma economia circular requer o envolvimento e o compromisso de diferentes grupos. Tal transição sistêmica é auxiliada pelos avanços da tecnologia da informação e da comunicação e pela mudança social. Assim, a economia circular pode criar novos mercados em resposta à mudança dos padrões de consumo, desde a propriedade tradicional até o uso, reutilização e compartilhamento de produtos, e pode ajudar a criar mais e melhores oportunidades de trabalho.

O resultado das compras online

Embora a compra online fosse uma tendência popular antes da pandemia, a crise sanitária global fez dela uma necessidade até mesmo para aqueles que estavam relutantes a ela. Mais consumidores começaram a fazer compras online e encontraram uma grande variedade de plataformas de ecommerce para escolher e que atendessem às suas necessidades. Com o passar do tempo, os consumidores se tornaram cada vez mais conscientes do que as compras por impulso e o retorno dos produtos significavam para o meio ambiente: o aumento da emissão de carbono. 

Além disso, as embalagens que as empresas online utilizam em seus produtos se tornam resíduos e contribuem ainda mais para a degradação do meio ambiente. Isto também levou os consumidores a buscar ativamente marcas que incorporam seus valores ligados à sustentabilidade. 

Um menor desperdício de embalagens, o uso de produtos recicláveis e a opção de retirada na loja podem ajudar e já proporcionam ganhos rápidos para muitos varejistas. Algumas plataformas de ecommerce estão se envolvendo com a venda de roupas de segunda mão e vintage. Líderes neste campo incluem empresas como Vestiaire Collective, Farfetch e Depop. 

Tornando a sua empresa mais sustentável

Há muitos fatores que podem tornar uma marca mais sustentável e as marcas têm que mostrar que estão empenhando-se em esforços sustentáveis. Estas iniciativas podem ser encontrar maneiras de aumentar o estoque morto, às vezes chamado de tecido recuperado da cadeia de suprimentos, ou ser transparente em relação ao processo de toda a cadeia de suprimentos. 

Apesar do que foi mencionado acima, nem todas as empresas online estão fazendo o suficiente para reduzir o impacto sobre o planeta. Pensar em fazer parte de uma economia mais circular é importante, mas não podemos ignorar a ação necessária para ajudar o planeta.

Continue lendo: artigos relacionados
Tendência

O Varejo já está no Metaverso

Talvez a sua primeira interação com a palavra metaverso tenha sido com alguma notícia sobre o Mark Zuckerberg…

R2U
R2U
Tendência

Metaverso: o futuro do Social Commerce?

Disclaimer: este material foi desenvolvido a partir do conteúdo apresentado pela(s) marca(s) citada(s) durante o VTEX DAY 2022…

Isabella Feitosa
Isabella Feitosa
Tendência

Conheça os principais benefícios do Live Shopping

O Live Shopping (LS) será um dos canais mais promissores para o ecommerce nos próximos anos. Há um…

Lalo Aguilar
Lalo Aguilar
Tendência

Como adaptar o ecommerce às novas restrições do Pix feitas pelo Banco Central do Brasil

Benefícios do Pix para o ecommerce  Desde seu lançamento, em novembro de 2020, o Pix tem facilitado as…

Camila Isibara
Camila Isibara
Tendência

Como conteúdos interativos compráveis estão mudando a cara das compras online

Esta história é bem antiga: as marcas querem ser vistas por seus clientes e público-alvo, independente de estarem…

Gabriela Porto
Gabriela Porto
Tendência

O futuro do varejo chegou

O comércio digital cresce de maneira consistente, ano após ano, em todas as regiões do mundo. Porém, principalmente…

Rafa Forte
Rafa Forte
Tendência

Quais as novidades do “compre agora, pague depois”?

Discutimos anteriormente o que é o fenômeno do “compre agora, pague depois” (também conhecido em inglês como Buy…

Andreea Pop
Andreea Pop
Tendência

É hora de converter mais com conteúdo gerado pelo usuário (UGC)

Coloque-se no lugar dos seus clientes. Você está navegando em uma loja de ecommerce em busca de uma…

Carolina Martin Guitart
Carolina Martin Guitart
Tendência

Social selling na indústria da moda

Comprar e vender sempre foram atividades sociais. Muito antes das redes sociais surgirem, as pessoas já engajavam em…

Larissa Coelho
Larissa Coelho
Veja Mais
Registro feito com sucesso