Tendência

Como é o futuro dos marketplaces de supermercado online?

Sorana Gheorghiade
Sorana Gheorghiade August 16, 2021
Como é o futuro dos marketplaces de supermercado online?

De acordo com uma pesquisa analítica dos supermercados realizada nos Estados Unidos, 36% dos consumidores americanos que começaram a fazer compras online durante a pandemia esperam manter este hábito mesmo depois dela. Esta é uma das razões pelas quais a habilitação digital das lojas tem sido a prioridade número um da maioria dos varejistas no ano passado, independentemente do nível, segmento e tamanho dos seus negócios. 

Em abril de 2021, a VTEX organizou uma mesa redonda focada no futuro dos marketplaces de produtos de supermercado e compras online deste segmento, com o objetivo de reunir insights, conclusões e opiniões fundamentadas sobre o futuro dos negócios e marketplaces de produtos de supermercado online. Os principais participantes da discussão foram Ben Hussey, especialista em comércio digital da VTEX e Kevin Coupe, anfitrião do Morning News Beat, além de outros especialistas e analistas de ecommerce. Vamos conferir o que foi debatido!

O atual cenário do setor de supermercados 

A maioria dos varejistas de produtos de supermercado que já levou seus negócios ao mundo digital está trabalhando no aperfeiçoamento das suas ferramentas e na instalação da solução mais eficiente para aumentar a receita – eles têm trabalhado arduamente ao longo deste último ano para aperfeiçoar tanto sua tecnologia quanto suas equipes para dar suporte a este ambicioso projeto de digitalização. 

Como você pode ver no gráfico acima, a receita das compras online de alimentos e bebidas excedeu todas as expectativas, apresentando aumentos significativos. Observe a diferença entre a estimativa anterior e a revisada para o mercado de supermercados dos EUA: embora estes números realmente mostrem um feedback positivo da digitalização das compras de supermercado, cerca de 40% do tamanho da amostra ainda irão continuar comprando fisicamente nos estabelecimentos. Por que isso? 

Desde o início de 2020, muitas mudanças têm acontecido no setor de supermercados. Por exemplo, os varejistas equiparam seus negócios com entregas extremamente rápidas de produtos de supermercado em áreas urbanas e o consumidor médio trocou as compras físicas pelas compras online.

Além disso, mais do que nunca, as pessoas estão fazendo compras em todas as marcas e os varejistas estão investindo fortemente em tudo o que é digital – desde funcionalidades de comércio ao vivo até centros automatizados de micro fulfillment. No mundo online, os clientes desenvolveram uma afinidade não apenas pelos produtos e marcas, mas pela experiência do usuário que é mais amigável e que facilita o processo de compra.

No entanto, o mesmo setor que tem visto tanto crescimento e investimento em menos de quatro trimestres está lutando com desafios digitais iminentes. Os supermercados enfrentam agora a necessidade de tomar decisões estratégicas para conquistar participação no mercado, mantendo os clientes adquiridos durante a pandemia. Eles também têm que atender às crescentes expectativas dos consumidores em relação à interação e conveniência, enquanto encontram eficiências operacionais para ganhar e reter margem. Além disso, surgem outras questões táticas para os empresários, como por exemplo, como monetizar o novo tráfego digital, como equilibrar a entrega previsível e rápida e, o mais importante, como se pode fazer um negócio se destacar? Algumas das respostas para essas perguntas, discutidas na mesa redonda, são apresentadas a seguir.

Melhores práticas dos supermercados digitais

À medida que os pedidos do ecommerce de supermercado aumentam, os varejistas online devem fomentar o valor da vida útil e a lealdade dos novos clientes para mantê-los por perto. A conveniência é uma das principais razões pelas quais os clientes fazem compras de produtos de supermercado online. Portanto, o sucesso futuro dos supermercados online depende da conquista e retenção desses clientes com uma experiência digital atraente e sem atritos que também atenda às suas necessidades com uma UX amigável. Como varejista, você pode ver o que as pessoas procuram em seu site e estimar a demanda por certos produtos. Você pode então usar isso para determinar que novos produtos você deve vender em seu marketplace. Uma vantagem fundamental é que, observando essas métricas, você pode entender o que está levando seus clientes para lá e melhorar a experiência deles a partir daí, garantindo que seja sempre a melhor.

No entanto, há sempre riscos mais elevados em uma extremidade do espectro. Neste caso, o risco da cadeia de suprimentos recai todo sobre o comerciante porque, embora possa não importar para o indivíduo se ele vai à loja ou encomenda os mesmos produtos no site, para o comerciante interessa se ele investiu mais no marketplace do que na loja física e o cliente decide não fazer compras online. 

Portanto, pense nisso como um comerciante de produtos de supermercado e leve isso para o seu estabelecimento, e veja como você pode usar esses tipos de exemplos. Uma maneira de pensar para resolver esta questão é antecipar a escolha que um varejista faz: até que ponto isso depende apenas de estratégia, e não do tamanho da receita e do tamanho e do número de lojas físicas? Se você é proprietário de um negócio, pense sobre isso. 

Sempre comece com o porquê

Independentemente do tamanho do seu negócio, tente pensar nele como um pequeno varejista. Se você é um varejista maior e tem uma marca muito específica, por exemplo, de produtos orgânicos e frescos, então provavelmente você não vai ampliar seus produtos para os segmentos de saúde e beleza. Mas talvez você queira que os fornecedores locais façam parte do marketplace e agregar à sua rede alguém que possa dar aos clientes a experiência do mercado de agricultores, ou algum outro diferencial. 

Aqui está o porquê: quanto menor é o negócio, mais importante se torna cada decisão que você toma em relação ao catálogo. Pense em seu marketplace como sendo muito pequeno. Os riscos de dobrar seus resultados são tão altos quanto perder parte do que você já construiu. Mas quando os riscos são altos, você avalia automaticamente cada detalhe da sua decisão. 

Colaborativo…em tudo!

É uma arte de misturar lojas, fornecedores, parceiros e clientes no mesmo ecossistema. É chamado de comércio colaborativo, e faz milagres. Quer você venda para consumidores ou outras empresas, você precisa de uma plataforma de comércio que abrace a colaboração digital para estimular o crescimento, impulsionar a inovação e construir relacionamentos online. As organizações lançam seus próprios marketplaces através da colaboração, formando um quebra-cabeça com todos os seus melhores recursos. Desta forma, você pode testar novos produtos, explorar novos mercados e atrair novos clientes, apoiando-se em fornecedores terceirizados e parcerias de dropshipping para estoque e fulfillment, ou obter insights dos clientes sobre pontos de dor e preferências e adaptar sua estratégia de negócio para atender e superar suas necessidades.

Em resumo, as tendências mudam e as previsões nem sempre refletem o que realmente vai acontecer ainda hoje, amanhã ou daqui a dez anos. Para construir o seu marketplace adaptável ao futuro, um conselho fundamental dos debates durante a mesa redonda é redirecionar sua receita e reinvestir nas iniciativas que você precisa fazer para se diferenciar.

Continue lendo: artigos relacionados
Tendência

Como a VTEX chegou a 60% de representação no Ranking da ESHOPPER

Conheça as principais funcionalidades da plataforma que garantem uma boa classificação no ranking que avalia a experiência do…

ESHOPPER
ESHOPPER
Tendência

Tendências futuras no ecommerce: Uma breve perspectiva

Se 2020 foi para muitos o ano da digitalização, 2021 certamente pertence à área do ecommerce. Enquanto os…

Sorana Gheorghiade
Sorana Gheorghiade
Tendência

Netflix, Walmart e a nova era das lojas de merchandising

Recentemente, a Netflix e o Walmart US anunciaram uma parceria para a abertura de uma loja online com…

Andreea Pop
Andreea Pop
Tendência

A era dos pagamentos digitais chegou

Ao longo dos anos, o dinheiro tem tido diversas formas: ouro, metal, papel, cheques, cartões de crédito e…

Gabriela Porto
Gabriela Porto
Tendência

A estratégia do Marketplace bancário e a tendência da experiência unificada dos SuperApps

Para além da concessão de empréstimo e venda de seguros, o marketplace bancário funciona como qualquer outro marketplace:…

Camila Isibara
Camila Isibara
Tendência

Usedesk, vencedora do VTEX Accelerator, simplifica o serviço de atendimento ao cliente

As operações de ecommerce geralmente pensam que, quando se trata de atendimento ao cliente, é preciso escolher entre…

Lalo Aguilar
Lalo Aguilar
Estratégia

Saiba como foi o VTEX Training Week 2021

O evento de capacitação da VTEX ocorreu de 4 a 8 de outubro e reuniu dezenas de experts…

Elias Moura
Elias Moura
Tendência

Quatro varejistas que mostram que o Live Shopping chegou para ficar

O Live Shopping, a experiência de compras online que une transmissão ao vivo com as funcionalidades de uma…

Lalo Aguilar
Lalo Aguilar
Tecnologia

Pagamentos omnichannel: como oferecer a melhor experiência física e digital no seu ecommerce?

Os pagamentos omnichannel consistem na integração de métodos online e offline, condição que dá ao cliente mais opções…

Luciano Santos
Luciano Santos
Veja Mais
Registro feito com sucesso