Na Black Friday de 2017, as lojas VTEX fecharam pouco mais de 450 mil pedidos – sendo quase 1.5 milhão de pedidos somente na semana da Black Friday.

Não espanta, portanto, que os lojistas aguardem esse dia com ansiedade. A semana do dia 23 de novembro será uma oportunidade de atingir números de venda recordes.

Mas a Black Friday é também uma data que traz boa dose de medo para os lojistas. Afinal, esse é um dia em que – junto com as vendas – crescem as chances de aparecerem problemas de operação, performance e segurança.

Foi por isso que fizemos este post: para te ajudar a garantir que tudo esteja em ordem no tempo certo, de modo que seu negócio fique livre das pegadinhas em que todos os anos caem os lojistas menos preparados.

1. A Black Friday já está quase aí

Se você ainda não começou a preparar sua loja para a Black Friday, este é o momento.

Planejamento conta muito quando o assunto é lidar com toda a demanda do dia 23 de novembro.

De fato, boa parte dos clientes que farão pedidos na sua loja estão desde outubro pesquisando as melhores opções, e podem estar agora mesmo decidindo que lojas acessar durante o evento.

Então preocupe-se desde já em chamar a atenção desses consumidores, e em preparar sua loja para recebê-los.

2. Corrija os problemas antes que eles apareçam

Garantir estabilidade deve ser uma das suas prioridades para a Black Friday.

Se começar a duvidar disso, lembre-se que 33% dos consumidores online abandonam pedidos quando encontram um problema.

Para lidar com um público tão volátil, sua loja precisa de uma infraestrutura robusta, fluxos suaves e performance otimizada.

3. Quanto mais cedo, melhor

“Antecedência” é a palavra que poderia estar em toda recomendação sobre Black Friday.

Não espere a véspera do evento para agir. Caso ainda não tenha construído um checklist, faça hoje mesmo e comece logo a validar as configurações da sua loja.

Para te ajudar, aqui vão alguns dos assuntos que você deve ter em mente desde já, e cujas configurações devem estar validadas e prontas no mínimo 4 horas antes do evento:

  • Definição de preços.
  • Alterações em produtos e coleções.
  • Definição de tabelas de frete.
  • Cenários promocionais.
  • Configurações de logística.
  • Verificação de limites dos marketplaces.
  • Validação de layouts.
  • Configurações de condições de pagamentos, afiliações e antifraude.
  • Alinhamento com parceiros.
  • Performance de imagens, requests e extensões.
  • Ferramentas de medição e monitoramento.
  • Layout mobile-first.
  • Revisão de permissões de acesso à loja.
  • Autenticação de 2 fatores.

4. Teste antes

Isso é válido para todos os aspectos da loja e, principalmente, para as promoções.

Teste todos os cenários promocionais que serão aplicados na Black Friday. Valide, na prática, as condições e os fluxos que sua equipe planejou, desde a exibição na prateleira até o faturamento do pedido, e busque os problemas que poderiam ocorrer.

5. Ajuste preços, promoções e tabelas de frete com antecedência

Você provavelmente não deseja que à meia-noite de sexta-feira parte do seu estoque esteja indisponível ou com preços e informações de entrega desatualizados.

Para evitar isso, faça todas as mudanças com antecedência de pelo menos quatro horas.

Quanto maior for a quantidade de produtos a serem ajustados, maior será o tempo de propagação na loja. Ou seja, mais tempo vai levar para que seus clientes vejam as informações atualizadas, o que pode causar perdas consideráveis para o seu negócio.

6. Deixe o preço do produto claro para o consumidor

A recomendação anterior evita que você tenha de fazer mudanças no catálogo ou na logística durante a Black Friday.

Entre outros motivos, isso é importante porque – devido ao tempo de atualização – as informações das páginas de vitrine, em alguns momentos, poderão ter valores divergentes com as do checkout.

De fato, a principal queixa dos consumidores durante a Black Friday é a mudança de preço ao finalizar a compra, o que mostra que muitas lojas ainda enfrentam esse problema.

Para evitar mal-entendidos com seus clientes, recomendamos que você insira um aviso no rodapé da loja de que o preço válido será aquele apresentado na finalização da compra.

7. Acompanhe de perto as transações de cartão

Devido à intensa movimentação do mercado durante a Black Friday, os seus conectores de pagamento podem se comportar de maneira inesperada.

Portanto, é preciso ficar atento à performance dos conectores e à fila de processamento do seu sistema de antifraude.

Além disso, certifique-se de que qualquer alteração nas configurações de condições de pagamento e afiliações seja feita com no mínimo 12 horas de antecedência.

8. Saiba os limites aceitos por cada marketplace

Se sua loja tem integrações com marketplaces, lembre-se que cada um deles impõe limites de:

  • catalogação;
  • atualização de preço;
  • atualização de estoque; e
  • disponibilidade de pedidos.

É essencial conhecer esses limites e se preparar para lidar com eles.

9. Confira se sua loja está segura

E depois confira de novo, porque este é um assunto sério.

Afinal, um dos maiores riscos que toda operação de e-commerce corre diz respeito à segurança da loja. E durante a Black Friday, esse risco aumenta muito, já que tentativas de invasão e roubo de senha se multiplicam.

Para evitar esse problema, certifique-se de que todas as pessoas com acesso à sua loja tenham a autenticação de 2 fatores ativada.

Além disso, revise as permissões de acesso à loja. Quem pode fazer o que nela? Será que tanta gente precisa de acesso liberado a todos os módulos? Quais são as permissões dos parceiros e colaboradores?

10. Cuide da infraestrutura

O trabalho mais difícil é fazer o cliente apertar o botão de comprar, então você não vai querer falhar no último minuto por falta de infraestrutura.

Garanta investimentos no seu data center para o caso de precisar escalonar serviços; e fique de olho em servidores, banda, rede etc.

Use seu histórico de vendas para criar uma previsão de acessos e vendas.

Faça um teste de carga com antecedência e, uma vez identificados os pontos críticos da sua aplicação, atue sobre eles.

11. Configure o carrinho abandonado

Durante a Black Friday, a taxa de abandono de carrinho pode atignir impressionantes 65%.

Tamanha volatilidade significa também uma enorme oportunidade para lojistas preparados.

Garanta que seus clientes serão avisados por e-mail sobre pedidos incompletos.

12. Use ferramentas de medição

Dados podem te ajudar a reconhecer possíveis origens de queda de performance do site.

Para entender o comportamento da sua loja, escolha uma ou várias ferramentas de medição e faça uma bateria de testes para diferentes cenários.

Algumas opções de ferramentas online interessantes são:

13. Não transforme imagens em vilãs

Um dos maiores responsáveis por longos tempos de carregamento no e-commerce é o mau uso de imagens.

Lembre-se que uma imagem de 1000 pixels de largura que é exibida no seu site com largura de 100 pixels está dez vezes mais pesada do que precisaria, sem nenhum ganho para a loja.

Portanto, redimensione as imagens para o tamanho de exibição.

Uma feature que ajuda a diminuir esse problema é a compressão para o formato webP, ativa na VTEX.

Além disso, existem ferramentas de otimização, como o site optimizilla.com, Riot e o próprio Adobe Photoshop.

14. Atenção à performance de prateleiras

Páginas de prateleira são causa frequente de tempos de carregamento maiores que o necessário, o que afasta clientes e diminui vendas – com impacto multiplicado num evento como a Black Friday.

Para evitar que isso aconteça, fique atento a alguns detalhes:

  • Quantidade de produtos.
  • Paginação.
  • Lazy Load (técnica que adia o carregamento de elementos da página, tais como imagens de produto, até o ponto em que sejam realmente necessários, aumentando a performance).

15. Menos requests, mais velocidade

Quanto menos requests as páginas da sua loja fizerem, mais rápidas elas serão e mais chances você terá de segurar os visitantes.

Faça um teste: vá até a homepage da loja, aperte a tecla F12, clique na aba Network e recarregue a página. Quantos requests foram feitos? Será que todos eles são necessários?

Identifique os requests mais lentos e investigue se eles realmente precisam acontecer.

Outra boa prática é garantir que seus arquivos de JavaScript e CSS estejam minificados.

16. Fique de olho em extensões

Eis outro vilão da performance: o emaranhado de extensões, tags externas e scripts em que muitos sites de e-commerce se transformam.

É fundamental que você tenha segurança de que todas as extensões da sua loja estão ali por um motivo válido. Caso contrário, pode ser que um serviço de terceiros esteja tomando tempo de carregamento sem necessidade.

Uma dica é instalar um add-on como o Ghostery em seu navegador. Ele identifica as extensões que estão rodando no site e te permite desligá-las individualmente, de modo que você consiga testar a influência de cada uma no tempo de carregamento.

Este post é uma boa referência sobre como aumentar a conversão da sua loja por meio da performance.

17. Seja mobile-first

Na Black Friday do ano passado, 27,3% das compras online foram feitas em dispositivos móveis, segundo a Ebit. E, para 2018, não há por que duvidar que esse número continuará crescendo consideravelmente.

Portanto, ser mobile-first não é mais apenas uma boa ideia – é uma necessidade para qualquer profissional que leve e-commerce a sério.

E lembre-se: ser mobile-first não significa apenas criar um layout responsivo. Garanta que seu site tenha fluxos bem-pensados e boa performance também em celulares e tablets. Afinal, 46% dos consumidores dizem que esperar pelo carregamento das páginas é o que mais os incomoda em compras por dispositivos móveis.

18. Monitore 24×7

Ferramentas de medição têm importância não apenas na fase de preparação para a Black Friday. Durante o evento, é fundamental que sua equipe tenha acesso em tempo integral ao OMS, Google Analytics e ferramentas de monitoramento de infraestrutura e backoffice.

Meça tudo que puder, e use os dados obtidos para fazer ajustes rápidos e certeiros.

19. Cuide do atendimento aos clientes

O aumento de demanda durante a Black Friday se reflete em um aumento também do número de dúvidas e reclamações por parte dos clientes.

Deixar de responder a essa demanda pode causar perdas de vendas em cascata, com consequências imponderáveis.

Reúna sua equipe, organize plantões, deixe o máximo de canais abertos e responda o quanto antes – seja por telefone, live chat, mídias sociais ou como você achar que melhor pode interagir com seus consumidores.

É fundamental que seu serviço de atendimento ao cliente funcione em esquema 24×7 durante a Black Friday, de modo que as demandas sejam atendidas com urgência.

20. Alinhe-se aos seus parceiros

Lembre-se que nenhuma operação de e-commerce se faz sem parceiros, e que para as suas vendas acontecerem sem sustos, eles precisam estar na mesma página que você.

Alinhe estratégias com a sua agência, faça os ajustes necessários no seu ERP, cheque seu middleware, suas ações de mídia, o envio da sua newsletter.

Onde quer que o trabalho de um terceiro seja necessário, esteja seguro de que vocês estão alinhados.

Sim, é bastante coisa para ter em mente. Mas cada uma delas aumenta em alguns pontos suas chances de ter uma Black Friday perfeita.

Repasse essa checklist algumas vezes até o dia do evento, e faça o possível para cobrir todos os temas.

No fim das contas, tudo se resume a planejamento, antecedência e foco nas necessidades do cliente.