Estratégia

As mais rápidas migrações de ecommerce

Andreea Pop
Andreea Pop January 17, 2022
As mais rápidas migrações de ecommerce

O time-to-market (ou time-to-revenue, como às vezes chamamos) é extremamente importante para qualquer projeto de transformação digital ou processo de migração de ecommerce. 

Um menor time-to-market garante que as empresas obtenham rapidamente o que precisam para crescer ainda mais, independente de ser uma infraestrutura superior de ecommerce, funcionalidades omnichannel ou integrações de marketplace. Também minimiza a falha operacional e permite que as equipes internas se concentrem mais na gestão do ecommerce e não em ajustes técnicos, deixando a parte tecnológica para o novo provedor da plataforma. E, claro, proporciona aos compradores uma experiência avançada ao cliente mais rápido, o que significa que eles são incentivados a comprar mais. 

Em resumo, a migração para uma nova plataforma de ecommerce em um curto período de tempo tem um grande potencial de aumentar a receita do varejista e diminuir a sobrecarga dos colaboradores. Por isso, os provedores de plataforma são responsáveis por fazer um processo de migração o mais simples e rápido possível. Também porque as marcas e varejistas pagam por um software bem antes dos ganhos financeiros, portanto, quanto mais cedo uma plataforma de ecommerce mostrar seu valor para seus clientes e gerar lucros, melhor. 

Como a VTEX aborda as migrações de ecommerce?

Considerando todos os pontos acima, a VTEX leva a sério o time-to-market. Apesar de atender inúmeras marcas e varejistas de alto nível – 2.500 lojas online ativas em 32 países, para ser exato – nosso tempo médio de implementação é de apenas 109 dias, um pouco mais de três meses. 

Isto é alcançado através da combinação de um vasto ecossistema de parceiros de implementação, estreito atendimento ao cliente por equipes como Professional Services (uma equipe de especialistas em soluções) e uma arquitetura nativa na nuvem que faz maravilhas em termos de rapidez de instalação e custo total de propriedade (TCO).  

Abaixo, você pode encontrar algumas de nossas histórias de sucesso de mudança de plataforma de ecommerce que abrangem diversos setores e modelos de negócios. 

Migrações de ecommerce por setor

Eletrônicos

Em um setor que recentemente começou a adotar a transformação digital e o direct-to-consumer, a VTEX tem a sorte de ter apoiado pioneiros como a Motorola e de tê-los ajudado a crescer no longo prazo.

Em 2015, a Sony decidiu avançar com a VTEX como um parceiro tecnológico para atualizar suas operações de ecommerce na América Latina. O gigante de eletrônicos de consumo percebeu que um processo de mudança de plataforma era imperativo para continuar atendendo às necessidades crescentes dos clientes, uma ideia ampliada por projetos de expansão regional, mas a mudança da Oracle ATG para a VTEX precisava ser rápida. Portanto, cinco lojas foram migradas em 90 dias, com duas novas lojas construídas em 40 dias. 

Outra grande performance é representada pela Panasonic Brasil, que mudou seu canal direct-to-consumer para a VTEX em 2018, em apenas 30 dias da solução de compras Rakuten. A colaboração tem sido marcada por melhorias contínuas e agora a empresa se beneficia de uma plataforma de baixo desenvolvimento no formato VTEX IO e aproveita grandes funcionalidades como o carrinho compartilhável. 

Moda

A moda é uma indústria que foi muitas vezes considerada fácil de digitalizar. Com perspectivas de omnichannel e de marketplace, no entanto, o ecommerce de moda está, atualmente, se mostrando mais complicado de administrar do que há alguns anos. No entanto, a VTEX é capaz de acompanhar as novas exigências tecnológicas e histórias que comprovam isso. 

Seguindo uma mentalidade MVP, o varejista de moda Iorane mudou sua plataforma em cinco dias, talvez nosso maior recorde até agora. A arquitetura open-APIs da VTEX permitiu que a marca brasileira importasse catálogos de produtos e bancos de dados de clientes já existentes. Claro que foi um sucesso: após a migração, a taxa de conversão aumentou em 180%.  

Também temos a Joy, uma marca de moda boutique do Reino Unido que queria se desvincular do desenvolvimento tecnológico, por isso optou por mudar para a VTEX. Isto foi feito em três meses e nunca mais voltou atrás, pois agora observa um crescimento profundo e mudanças positivas, como o aumento da taxa de conversão e o uso mobile-first. 

Para o Grupo Soma, um dos maiores conglomerados da moda brasileiro, a migração para a VTEX teve um objetivo estratégico, já que a VTEX é uma solução tecnológica 3 em 1. A migração foi iniciada em janeiro de 2018 e, em apenas dois meses, o primeiro ecommerce estava pronto para ser lançado. No total, sete ecommerces de diferentes marcas tiveram seu go-live na VTEX para a Black Friday, com 200 lojas físicas totalmente integradas em uma operação omnichannel. 

Esportes & Fitness

Um setor semelhante ao de moda, o de esporte e fitness tem passado por um enorme crescimento nos últimos tempos, graças a uma maior preocupação com o bem-estar físico e mental. Assim, as funcionalidades de ecommerce de última geração têm sido necessárias para oferecer conveniência aos consumidores de produtos esportivos. 

A Under Armour Brasil migrou para a VTEX como um primeiro passo para uma padronização regional das plataformas de ecommerce. A migração levou menos de 90 dias, a tempo para a Black Friday de 2020, e não implicou em nenhuma mudança na IU, pois a marca americana queria medir o verdadeiro efeito de migração da VTEX. E a VTEX não os decepcionou: as taxas de conversão saltaram 35% em relação ao ano anterior no grande evento do varejo. 

Além disso, a Decathlon Brasil migrou de um fornecedor de plataforma local para a VTEX em apenas quatro meses. Ao fazer isso, reduziu drasticamente os custos associados ao gerenciamento de software do ecommerce e, atualmente, é a unidade de ecommerce de maior sucesso da empresa no mundo.

A Al’s Sporting Goods dos EUA migrou para a VTEX entre março e agosto de 2019, com tempo de implementação inferior a cinco meses. O varejista buscou uma plataforma de ecommerce que pudesse sustentar seu amplo estoque, ao mesmo tempo em que proporcionava uma grande experiência ao cliente. A VTEX era a solução perfeita. 

Farmácia

O setor farmacêutico é extremamente difícil de operar no mundo digital, já que se trata de assinaturas e autorizações médicas. Mesmo assim, a plataforma certa pode lidar com qualquer coisa. 

A Pague Menos, uma grande rede de farmácias brasileira, desejava que suas novas operações de ecommerce com a VTEX fossem lançadas para a Black Friday de 2018. Por isso, a migração teve que acontecer em três meses – e aconteceu, sem nenhum impacto negativo sobre o canal de ecommerce. 

Outro grande caso é o da Farmacity. Há alguns anos, a rede de farmácias com mais de 300 lojas na Argentina migrou para a VTEX em três meses. A experiência de mudança de plataforma foi “perfeita”, segundo o cliente, e a receita também cresceu rapidamente, com as transações aumentando em mais de 35% no primeiro mês desde o go-live. 

Supermercados

O setor de supermercados, talvez o mais complexo a ser digitalizado, igual à indústria farmacêutica, é onde a VTEX se destaca. 

Em 2018, o DIA da Argentina, uma rede de supermercados com mais de 900 lojas físicas no país latino-americano, entrou em operação com a VTEX menos de três meses após ter optado pela mudança de plataforma. Agora, ela também pode, rapidamente, conectar suas lojas para atuar como mini-centros de abastecimento e pontos de retirada. Durante a pandemia, ela conseguiu integrar 352 locais em apenas três meses e meio, estabelecendo uma base sólida para sua estratégia omnichannel.  

Da mesma forma, o Walmart Argentina migrou do Microsoft Commerce Server em 2015 e ganhou, após um processo de migração sem atritos de seis meses, a estrutura perfeita para um supermercado omnichannel, além de uma rápida redução no TCO.  

Uma menção especial vai para a migração do Carrefour Brasil do SAP Hybris para a VTEX, que, apesar de durar mais do que a nossa média, marcou nosso projeto de migração mais complexo de todos os tempos. Em apenas 10 meses, realizamos a migração de 13 milhões de dados de clientes e 7 milhões de SKUs para os canais de ecommerce e de marketplace do Carrefour, este último incluindo mais de 3000 sellers externos. 

Migrando rapidamente seu ecommerce

Todas estas histórias de mudança de plataforma mostram que a migração de um ecommerce não tem que ser lenta. Pode ser rápida, fácil e revigorante e exatamente o que sua empresa precisa quando você tem o parceiro certo ao seu lado. Se uma mudança estiver realmente em ordem, não importa qual plataforma você escolher para seu negócio de ecommerce, lembre-se que o tempo de implementação é importante.

Continue lendo: artigos relacionados
Estratégia

Uma linha do tempo para a implementação do conversational commerce

Os novos hábitos de compra dos consumidores, o boom do comércio social e a tendência voltada para a…

Gabriela Porto
Gabriela Porto
Estratégia

Como otimizar o checkout e aumentar a conversão em sua loja online

As vendas no ecommerce vem experienciando um crescimento considerável nos últimos anos. Segundo a Ebit/Nielsen o Brasil bateu…

Caroline Dias
Caroline Dias
Estratégia

9 principais diferenças entre o ecommerce B2C e B2B

Você já se perguntou como cada modelo de negócio requer uma arquitetura e um conjunto de funcionalidades diferentes?…

Iris Irikura
Iris Irikura
Estratégia

Como crescer a sua estratégia omnichannel com live shopping

Se existe algo que é uma constante no mundo digital e no mundo do ecommerce é a inovação…

Taissa Araujo
Taissa Araujo
Estratégia

Aumente o faturamento da sua loja virtual com entregas cada vez mais rápidas

Descubra como as estratégias logísticas usando dark stores têm garantido entregas em tempo reduzidoe se tornado tendência no…

Rebeca Maffra
Rebeca Maffra
Estratégia

O que uma plataforma de comércio omnichannel pode oferecer aos varejistas?

Ninguém entra no varejo pensando “Vou vender este único produto a este preço e neste canal para sempre”.…

Cody Stapleton
Cody Stapleton
Estratégia

Como integrar o conversational commerce em sua operação omnichannel

Um dos paradigmas das marcas é estar disponível onde quer que os clientes estejam e ser capaz de…

Diana Mourão
Diana Mourão
Estratégia

Conversational commerce: a mais nova tendência digital que está fortalecendo as empresas B2C e B2B

Por trás de qualquer tipo de negócio, há um ser humano. Isso é um fato. Portanto, tanto faz…

Juliana Sánchez
Juliana Sánchez
Estratégia

Conversational commerce: riscos e oportunidades

O conversational commerce é uma forma de venda em que as empresas se comunicam com os clientes diretamente…

Consuelo Cabrera
Consuelo Cabrera
Veja Mais
Registro feito com sucesso