Estratégia

Aprenda com a Dell e a HP como se adaptar ao futuro de um negócio de eletrônicos de consumo hoje

Andreea Pop
Andreea Pop August 31, 2021
Aprenda com a Dell e a HP como se adaptar ao futuro de um negócio de eletrônicos de consumo hoje

Já se perguntou como adaptar o seu negócio para o futuro? Aprenda diretamente com os líderes em eletrônicos de consumo como fazer isso nesta mesa redonda exclusiva. 

Organizada pelo EICOM e pelo eCommerce Institute, em parceria com a VTEX, Softbank e AWS, a série Future-Proof Organization é um evento online com o objetivo de apresentar valiosos insights sobre como preparar um negócio para o futuro. Depois de discutir sobre a indústria da moda em junho de 2021, a última edição analisou o setor altamente competitivo e dinâmico dos eletrônicos de consumo, com os convidados Erik Day, SVP de Small Business da Dell, e Vinicius David, Head de Consumer e SMB Digital Services da HP, juntamente com o anfitrião Mariano Gomide de Faria, co-Fundador e co-CEO da VTEX.

Confira um resumo dos principais destaques do evento – a contratação dos melhores talentos, o retorno da estratégia direct-to-consumer e a importância da cultura – ou assista à gravação completa. Independente de qual escolher, você ganhará muito conhecimento e conhecerá alguns fatos, então prepare-se e anote tudo! 

A arte de atrair talentos da tecnologia

Uma lição que a COVID-19 nos ensinou foi que a tecnologia vai desempenhar um papel central no futuro da nossa economia e do nosso bem-estar. Mas para que essa visão seja bem-sucedida e sustentável, é imprescindível atrair talentos do setor tecnológico – e cada vez mais competitivo.

Por exemplo, o Erik destaca como a tecnologia evoluiu e sem sinais de parar – de fato, agora tem mais vagas de emprego do que em qualquer outro setor. Mas esse é um aspecto problemático, porque a próxima geração de talentos, a Geração Z, não mostra tanta vontade de seguir uma carreira na área de tecnologia, apesar de serem ávidos usuários de tecnologia. Uma das razões para o status quo é a influência familiar.

“Os jovens recém-formados estão buscando vagas em bancos e de consultoria não porque desejam, mas por causa dos seus pais e mães. As famílias estão empurrando as crianças para uma carreira que não está preparada para o futuro. A indústria digital é diferente, mas os pais ainda não confiam nela. Temos que mudar isso”.

Mariano Gomide de Faria, co-Fundador e co-CEO da VTEX

Além disso, os graus STEM estão deixando de ser uma tendência, enquanto os graus de artes liberais estão se acelerando. A maioria das empresas quer o caminho mais fácil e só olha para prospectos qualificados, em vez dos caminhos ainda não explorados, dispostos a sempre oferecer uma contraproposta para uma pequena reserva de talentos. O resultado? Uma concorrência feroz e um enorme potencial desperdiçado em contextos “não tecnológicos”

Qual a solução? 

De acordo com nossos palestrantes, as empresas de tecnologia e de eletrônicos de consumo devem agora se preocupar em ter parcerias com universidades, programas de estágios, pós-graduação e iniciativas únicas como o TETRIX. Afinal, são em ambientes acadêmicos que são encontrados inúmeros talentos, com diversos projetos de sucesso – como o caso da HP, Dell e VTEX, nascidos dentro das universidades. 

“A parceria com as universidades é mais importante do que nunca para atrair talentos e prepará-los para uma carreira na tecnologia”.

Erik Day, SVP de Small Business da Dell

Para a aquisição dos talentos mais maduros e experientes, o Vinicius tem três conselhos:

  • Contrate antes de precisar de alguém – ao contratar de forma reativa, você pode não encontrar a pessoa perfeita; 
  • Mantenha por perto uma lista de pessoas que você quer – desta forma, você pode criar uma vaga de emprego que se adapte ao que eles estão procurando;
  • Vá você mesmo para o mercado de trabalho – se você encontrar um bom talento, faça você mesmo a abordagem, sem esperar pelo responsável pelo recrutamento. 

O retorno das operações direct-to-consumer

Empresas de produtos eletrônicos de consumo como Dell, HP, SONY, Samsung, Motorola e Whirlpool estão na liderança da onda direct-to-consumer (DTC), bem ali ao lado das empresas de bens de consumo embalados. Mas muito antes da cadeia de valor ter se tornado tão complexa, o direct-to-consumer era a forma como tradicionalmente funcionava. Na verdade, não estamos vendo um aumento do DTC; mas sim um retorno. 

“Em 1984, todo o modelo de negócio do Michael Dell tratava de vender diretamente aos consumidores. Perdemos participação de mercado para os concorrentes porque não nos adaptamos suficientemente rápido a outros canais, mas é irônico como em 2021 estamos falando agora sobre a mesma coisa”.

Erik Day, SVP de Small Business da Dell

Hoje em dia, os clientes querem opções, querem uma experiência composable: comprar em qualquer lugar, pagar com rapidez e facilidade, retirar em algum local mais cômodo para eles. E na indústria de produtos eletrônicos de consumo, há uma demanda de mercado tão grande que há espaço para oferecer essas opções aos clientes e o maravilhoso é que todos, tanto fabricantes quanto varejistas, podem ganhar. 

“Agora temos dados para criar produtos e serviços que ofereçam relevância não apenas para nós, mas para revendedores e distribuidores, permitindo que eles se aprimorem de acordo com a sua geografia local”.

Vinicius David, Head de Consumer e SMB Digital Services da HP

Uma conclusão importante que podemos tirar disto é que a autocanibalização, algo que muitos executivos temem, não deveria ser uma grande preocupação, pelo menos não no setor de eletrônicos de consumo. Incorporar esta filosofia como faz a Apple, um mestre direct-to-consumer. 

“A Apple ensinou às empresas que elas não devem ter medo da autocanibalização. Há uma razão para o lançamento de um novo iPhone a cada 12 meses – se você tentar esticar seu produto até o último dia ele pode lhe dar um lucro, isso é abre espaço para seus concorrentes. Mas se você é o único a se canibalizar, você pode definir o ritmo do mercado, assim como a Apple”.

Vinicius David, Head de Consumer e SMB Digital Services da HP

Cultura, o elemento-chave para ser adaptável ao futuro

Olhamos para gigantes da tecnologia como Facebook, Google e Amazon e achamos que eles são grandes demais para errar. Mas se você olhar bem de perto, as falhas são visíveis, especialmente no nível mais básico: os colaboradores estão saindo e reclamando da cultura

“Se você realmente quer ter uma empresa adaptável ao futuro, você tem que se dedicar à cultura. Os talentos de hoje consideram o que você está fazendo em termos de responsabilidade social, do meio ambiente e para que eles façam seu trabalho de forma eficiente”.

Erik Day, SVP de Pequenas Empresas da Dell

Erik continua compartilhando suas preocupações sobre os tempos pós-COVID-19, quando outro desafio surgirá: a cultura inovadora quando todos estiverem olhando pela mesma tela. Se os patamares da cultura aumentarem, a rotatividade aumentará e o crescimento diminuirá, inevitavelmente.

Com base nessa perspectiva, Mariano observa como cada vez mais empresas deixam de ser empresas e se tornam comunidades. E a cultura desempenha, mais uma vez, um papel fundamental nesta impressão, de cima para baixo, de indivíduo para indivíduo. 

“Na maioria das vezes, as pessoas não querem deixar seus empregos, e o fazem por causa dos seus chefes. Mas a cultura faz de um chefe um verdadeiro líder e uma boa pessoa, o que, por sua vez, torna a empresa um ótimo lugar para se trabalhar. Além do salário, da marca, seu reconhecimento, é isso que as pessoas realmente querem.”

Vinicius David, Head de Consumer e SMB Digital Services da HP

Em um nível mais específico, apesar de parecer um pouco clichê, os executivos precisam ter conversas importantes sobre inclusão, pertencimento, vulnerabilidade e autenticidade. Os colaboradores percebem quando a cultura é apenas para divulgar ou quando as palavras não se alinham com as ações e então irão analisar a cadeia de comando com muita atenção.  

“Se você quer fazer com que sua empresa seja adaptável ao futuro, você deveria estar investindo recursos em questões como pertencimento, inclusão e autenticidade, porque as pessoas sentem que podem fazer tudo quando conseguem ser quem são 12 horas por dia, sem terem que se esconder”.

Erik Day, SVP de Small Business da Dell

Para obter mais informações e conselhos sobre como adaptar o seu negócio ao futuro, aprenda com esses especialistas em eletrônicos de consumo assistindo à gravação completa e siga nossa página no LinkedIn para manter-se atualizado! Por último, mas não menos importante, fique de olho nos nossos próximos eventos com mesa redonda, estamos apenas começando. 

Continue lendo: artigos relacionados
Estratégia

Os marketplaces de moda que estão levando a melhor no jogo do ecommerce

Os marketplaces, caracterizados por contar com múltiplos sellers terceirizados que vendem em um único ponto de contato e…

Andreea Pop
Andreea Pop
Estratégia

Time-to-market: O truque na manga para sua transformação digital

É evidente que o time-to-market (TTM) é extremamente significativo para qualquer transformação digital. Quanto menor ele for, mais…

Andreea Pop
Andreea Pop
Estratégia

As mais rápidas migrações de ecommerce

O time-to-market (ou time-to-revenue, como às vezes chamamos) é extremamente importante para qualquer projeto de transformação digital ou…

Andreea Pop
Andreea Pop
Estratégia

Migração de plataforma de ecommerce: superando a resistência à mudança

As empresas, assim como as pessoas, podem ser relutantes a mudanças. A proposta de superar a incerteza pode…

Lalo Aguilar
Lalo Aguilar
Estratégia

Saiba como um cliente VTEX alcançou grandes resultados com a análise ESHOPPER

Saiba como a Pandora, cliente VTEX, implementou pequenas melhorias e atingiu grandes resultados no seu ecommerce com a…

ESHOPPER
ESHOPPER
Estratégia

Os maiores desafios de um supermercado online e como superá-los

Situações como chegar em casa cansado e carregar sacolas de compras, ou sair tarde do trabalho e ter…

Daniela Jurado
Daniela Jurado
Estratégia

Como formar uma equipe para seu supermercado online – Parte 3/3

Estou de volta com a parte final da série de artigos sobre como construir sua equipe de ecommerce…

Juan Etcheverry
Juan Etcheverry
Estratégia

A indústria da moda no digital: Desafios e soluções

A indústria da moda vem se reinventando e cada vez mais ganhando espaço no mundo digital. Segundo a…

Rafaela Rezende
Rafaela Rezende
Estratégia

O fim dos navegadores! O conversational commerce é o futuro dos varejistas dos EUA

O conversational commerce é uma tendência incontrolável. Já é uma realidade em muitos países e nos próximos 3…

Mariano Gomide de Faria
Mariano Gomide de Faria
Veja Mais
Registro feito com sucesso