Estratégia

The Future-Proof Organization: edição para a indústria da moda

Gabriela Porto
Gabriela Porto June 22, 2021
The Future-Proof Organization: edição para a indústria da moda

Ser adaptável ao futuro significa estar preparado para todas as surpresas e desafios que o futuro nos reserva. É disso que trata a iniciativa da The Future-Proof Organization: democratizar o conhecimento do comércio digital e permitir que os líderes de amanhã recebam um mundo diversificado de especialistas em ecommerce. É uma jornada de aprendizado com insights dos melhores do setor.

Organizado pela EICOM e pelo eCommerce Institute, em parceria com a VTEX, Softbank e AWS, o Future-proof Organization: Fashion Edition Roundtable, uma mesa-redonda sobre a indústria da moda, foi um evento online organizado pelo co-fundador e co-CEO da VTEX, Mariano Gomide de Faria, com a participação de: Mariah Chase, CEO da Eloquii; Dan Goldman, VP de Estratégia & BD da Gap, Inc.; e Linda Li, Head de Ecommerce da H&M. 

Leia abaixo um relatório mais aprofundado sobre o evento e confira a nossa página no LinkedIn para saber tudo o que aconteceu na mesa-redonda. Seguem alguns destaques:

  • O que a indústria da moda aprendeu com a pandemia e com todas as suas consequências. Foco no consumidor, flexibilidade, agilidade e digitalização foram as principais palavras mencionadas pelos membros do painel;
  • Como as marcas podem se preparar internamente para uma mudança digital, especialmente quando competem por talentos digitais com outras empresas de tecnologia;
  • O papel da marca e a responsabilidade social também estão no centro das atenções, já que a preocupação com as questões sociais tem sido extremamente relevante para o futuro pós-pandemia da COVID-19.

Aprendizados que a pandemia trouxe

Durante o ano de 2020, a indústria da moda registrou recordes baixos de lucros, com uma queda de 93% comparado a 2019. O impacto que este mercado sofreu com as restrições da COVID-19 às compras físicas e a quantidade de vendas perdidas fez com que alguns se perguntassem o que muda e se algo pode ser mantido. 

O último relatório sobre a situação do setor da moda da McKinsey, escrito em parceria com a Business of Fashion (BoF), aprofunda estes impactos e a crise neste mercado, mas também traz alguns dos resultados positivos da situação. É seguro dizer que a pandemia acelerou algumas tendências do setor, especialmente no ramo da moda. Muitas empresas de moda têm analisado suas operações de negócio, custos de produção, estratégias de clientes e de vendas usando a tecnologia como uma grande aliada. Marketplaces, estratégias omnichannel e compras locais também são ações para se apostar, encarando 2021 em grande estilo. 

O que estas oportunidades do “novo normal” podem ensinar à indústria e qual é a sua influência no marketing, vendas e percepção da marca? Nossos palestrantes compartilharam alguns dos seus maiores aprendizados de 2020 sobre estes pontos.

O atendimento ao cliente é o novo marketing

“O atendimento ao cliente é o novo marketing. Meu grande aprendizado de 2020 é que as empresas que já tinham um bom atendimento ao cliente são as empresas que estão criando maior fidelidade à marca. Você deve tratar o atendimento ao cliente como algo de marketing, como uma atividade abaixo do marketing, não como uma operação”. 

Mariano Gomide de Faria, co-fundador e co-CEO da VTEX.

Encontrar o melhor equilíbrio entre os recursos humanos e tecnológicos a fim de levar a experiência do cliente a outro nível. A interação com esses consumidores e aprender com eles é importante para oferecer o melhor serviço possível. Com as opções de fulfillment da loja VTEX, por exemplo, você pode oferecer conveniência e uma boa experiência de atendimento ao cliente no que diz respeito ao envio, integrando lojas físicas e digitais, fornecendo serviços online e presenciais que afetarão a forma como o cliente final enxerga a marca. 

A tendência é que ofertas mais centradas no cliente e personalizadas aparecerão como uma alternativa a todas as operações online, combinando o melhor dos serviços humanos e automatizados. Conexão emocional, espaços híbridos e lojas BYOD (traga seu próprio dispositivo) já estão se tornando uma tendência. Com o aumento do uso das mídias sociais durante a pandemia nos EUA e os telefones sendo o principal meio de comunicação, outras estratégias como o conversational commerce e o social selling têm sido bem sucedidos como uma forma de aproximar marcas e clientes. 

É, em poucas palavras, a necessidade de estar onde os clientes estão e oferecer o maior número possível de opções que eles procuram.

Como atrair audiências específicas

Sobre a falta de estratégias tradicionais devido às circunstâncias da pandemia, outras surgiram. Na mesa-redonda, foi mencionada a declusterização do comércio como uma fuga para marcas digitais que estão dispostas a atender a necessidades de nichos específicos, em vez de tentar obter uma grande fatia de um grande mercado. 

Isto é o resultado de um grande aumento do número dos dados de comportamento do cliente e como as marcas e empresas os utilizam para diversificar o seu portfólio e ofertas de produtos, dependendo do cliente final, seus hábitos de compra e interesses pessoais. 

“Acho que, de certa forma, isto vem acontecendo há algum tempo, pois nossas funcionalidades de dados se tornaram mais fortes e, portanto, o quão específicas e personalizadas você pode fazer cada experiência. Se você olhar para as mensagens entre plataformas, a minha experiência de compra pode e será totalmente diferente da sua experiência de compra”.

Mariah Chase, CEO da Eloquii

Houve muitas manifestações com este tipo de iniciativa, tais como sites voltados para profissionais, como o site da Colgate para dentistas, sites com acesso limitado, muito parecidos com clubes ou listas VIP ou lançamentos exclusivos. 

Flexibilidade e agilidade

“Quando se pensa em agilidade, muitos varejistas e empresas de moda têm um trade-off entre escala e agilidade. É difícil fazer as duas coisas muito bem. Acho que o que 2020 provou é que a agilidade vai ser realmente fundamental para evoluir, mudar e inovar conforme vai avançando”.

Dan Goldman, VP de Estratégia & BD daGap, Inc.

Escala e agilidade, em uma indústria de ritmo acelerado e orientada por tendências, podem ser difíceis de se fazer em tão pouco tempo. Em relação à agilidade, o mundo da moda já vivencia isso. A demanda se tornou mais urgente desde que a divulgação nas mídias sociais fez com que novos estilos surgissem mais rápido do que antes, diminuindo, por exemplo, o ciclo de vida de uma tendência de moda.  

Mas além das tendências e da obtenção de grandes resultados na fabricação de produtos, a agilidade e a flexibilidade também podem ajudar no crescimento digital e sustentável. Quando se fala em ser ágil em tempos de pandemia e com as mudanças do “novo normal”, estamos falando de uma resposta rápida a demandas imprevistas, ou, se preferir, ser adaptável ao futuro. 

Para conseguir isso, a tecnologia tem sido útil: ter um sistema integrado de gerenciamento de produtos e pedidos, por exemplo, pode melhorar um produto ou um ciclo de vida de uma coleção e evitar qualquer tipo de perda de produção. O software ERP (Enterprise Resource Planning) é um ótimo exemplo, uma vez que se mostra eficiente e customizável para cada necessidade de negócio, enquanto utiliza a tecnologia para melhorar as operações e processos.

Atração e retenção de talentos digitais

A mudança digital criou novos pontos que se desviam das rotas tradicionais dentro da indústria da moda, não apenas nas passarelas, mas também nos bastidores. Designers, produtores e especialistas em marketing ainda são necessários, mas a noção de comércio digital tem que permear toda uma empresa para que a mudança seja perfeita. Esta mudança também tem exigido mais pontos de análise e pode tornar a competição mais difícil entre as marcas de moda e as grandes empresas tecnológicas. 

Mariano tem uma dica de como fazer isso: tudo isso está na forma como você anuncia. Você precisa de um estatístico ou de um especialista em comércio digital especializado em números e probabilidade? Alguém que lidere a mudança de transformar números em dados e em produtos, impactando todo o processo de vendas? Há uma grande diferença entre eles. “Anuncie o resultado final, não o processo”, diz ele.

“O que é tão único na indústria de consumo e diferente de grandes empresas como Google ou Facebook é que os resultados são mais tangíveis. Os seus amigos, vizinhos, perceberão mais facilmente os frutos do seu trabalho”.

Linda Li, Head de Ecommerce da H&M

Para a geração originalmente digital, especialmente os mais jovens como os Millennials e a geração Z, o significado do trabalho está mudando gradativamente. O critério de seleção não é mais uma questão de dinheiro ou de prestígio da empresa, mas de satisfação no trabalho. E isso vai além de uma comemoração semanal com pizza ou as vestimentas de uma “Casual Friday”.

Portanto, manter os talentos é difícil. A experiência dos colaboradores deve ser o foco principal na retenção de pessoas, oferecendo uma jornada de conhecimento e crescimento, não apenas no papel principal que eles irão assumir na empresa, mas durante todo o processo. Isto pode ser de grande valor, especialmente para a geração mais jovem que se pretende atingir, com sonhos e propósitos diferentes daqueles das gerações anteriores. Não se trata mais do destino final, mas do caminho e dos conhecimentos adquiridos no caminho.

Visite o nosso LinkedIn para assistir à mesa-redonda na íntegra, em inglês, e siga a página da VTEX, para que você não perca nada. Haverá mais edições do Future-proof Organization sobre diferentes mercados e temas.

Continue lendo: artigos relacionados
Tendência

Negócio de dropshipping: o que é isso?

Quando se trata de manter uma operação de ecommerce, vários fatores-chave devem ser levados em consideração, especialmente os…

Gabriela Porto
Gabriela Porto
Estratégia

Venda mais com a prateleira infinita

Se você é cliente muito provavelmente já passou pela situação de entrar na loja, se interessar pelo produto…

GoTotem
GoTotem
Estratégia

Mercado de ecommerce no Brasil: tendências e novas perspectivas

A pandemia foi um intenso catalisador para o ecommerce, acelerando projetos e tendências que levariam anos para se…

Erick Buzzi
Erick Buzzi
Tendência

Vencedora do VTEX Accelerator, Photoslurp associa UGC ao ecommerce

As redes sociais transformaram milhões de pessoas em criadores de conteúdo durante a última década. A ascensão dos…

Lalo Aguilar
Lalo Aguilar
Estratégia

Planejamento, estratégia e gestão de ecommerce: você está preparado para os desafios de um mercado em ebulição?

Recentemente, realizei uma palestra no E-commerce Brasil voltada para gestores de ecommerce, na qual abordei os principais desafios…

Rafaela Rezende
Rafaela Rezende
Estratégia

Estratégias de retenção de clientes: como fazer os compradores voltarem

Como posso reter clientes e engajá-los com a minha marca? Qual é a estratégia certa de SEO para…

Sorana Gheorghiade
Sorana Gheorghiade
Estratégia

Posicione sua marca nos Estados Unidos com a VTEX

Como incrementar resultados com a presença da sua marca no mercado online dos Estados Unidos com a ajuda…

João Teixeira
João Teixeira
Histórias de Clientes

PicPay Store ganha marketplace com tecnologia headless da VTEX

O PicPay investiu na tecnologia pronta e headless da VTEX para, em menos de 5 meses, proporcionar uma…

Elias Moura
Elias Moura
Estratégia

Ampliando os seus canais de venda através do marketplace

No ano de 2020, o ecommerce atingiu o marco histórico de R$ 87 bilhões em vendas no Brasil,…

Luciano Santos
Luciano Santos
Veja Mais
Registro feito com sucesso