Institucional

Mercado B2B: como a VTEX encara o desafio de contratar grandes designers

Daniele Belmiro
Daniele Belmiro June 15, 2020
Mercado B2B: como a VTEX encara o desafio  de contratar grandes designers

A vaga de Product Designer na VTEX está publicada há quatro anos. Nesse período, foi preenchida várias vezes, mas devido à alta demanda da companhia por profissionais da área, a vaga é renovada quase imediatamente. “A cada designer bom que a gente contrata, novas oportunidades de produto são descobertas”, explica Gabriel Carvalho, Head de Design da empresa. 

Essa necessidade permanente de contratação é comum na VTEX, que cresce cerca de 40% ao ano, e cujos funcionários têm como mote “fazer uma empresa de software para e-commerce global com a quantidade de funcionários bons que encontrarmos”, sem nunca baixar a régua.

E isso não é tarefa fácil para uma companhia pouco conhecida em um mercado aquecido e repleto de fintechs que oferecem salários e benefícios competitivos. Mas o time liderado por Gabriel vem desenvolvendo estratégias, aprendendo com os próprios erros e parece ter encontrado um caminho para montar uma equipe robusta.

O time já conta com 20 profissionais – há três anos, eram apenas dois.

A dificuldade vem, em grande parte, do fato da VTEX não ser uma empresa B2C. “Diferentemente do Facebook, Instagram, Nubank ou outras marcas que têm um design legal e são conhecidas por ter um bom product design, a gente não consegue colocar nosso produto na rua de forma tão óbvia para que as pessoas o consumam e digam: esse é um first class design”, diz Gabriel. 

Por isso, uma das estratégias é engajar o próprio time de designers para que eles compartilhem com o público em geral, através de palestras e artigos, o trabalho que desenvolvem e os motivos pelos quais acham que a VTEX é um bom lugar para evoluir como profissional. “A gente entrega desafios de verdade para as pessoas, com clientes reais que têm operações complexas e dependem do nosso produto para fazer o trabalho deles, é outro nível de responsabilidade”, resume Gabriel. 

“E aqui o designer tem acesso fácil aos clientes, então consegue entender suas necessidades de negócio e tomar decisões estratégicas que vão impactar o nosso produto. Nada é top-down aqui, os designers podem tomar as rédeas dos produtos e dar a direção deles.”

Evolução do processo seletivo

Quando Gabriel entrou na VTEX, em 2016, o time de Design apostava no programa de estágio para recrutar talentos. Porém, não havia senior designers suficientes para acompanhar os junior designers que entravam na empresa, e eles acabavam saindo algum tempo depois, frustrados com a falta de uma mentoria que os ajudassem a evoluir profissionalmente. Esse foi o primeiro erro que a equipe cometeu no processo de contratação. 

“Naquele momento, éramos apenas dois designers e tínhamos a tarefa de remontar o time. A gente então focou no perfil sênior e começamos a fazer hunting no Linkedin, mais do que receber candidaturas. Nos reuníamos com os candidatos e apresentávamos nosso produto, os desafios de Design da VTEX, aonde a empresa queria chegar, nosso escritório, nossa cultura… tudo o que a gente achava que podia ser legal para atrair talentos”, conta. Com isso, conseguiram contratar cerca de sete profissionais, o que aliviou bastante a carga de trabalho.

Com o tempo, porém, as técnicas de avaliação usadas se mostraram pouco eficientes. Uma delas era o challenge de quadro branco: os candidatos iam ao escritório da VTEX e recebiam um desafio de Design para resolver em cerca de duas horas. “Fomos percebendo que isso tomava muito tempo do candidato, era um desafio maçante e difícil e a gente acabava dispensando muitos candidatos que eventualmente poderiam ser bons”. 

Eles optaram, então, por um desafio assíncrono – uma atividade que o candidato deveria concluir em sete dias e mandar o resultado para os recrutadores. “Começamos a perceber que isso era um pouco antiético, porque de alguma forma estávamos pedindo para a pessoa trabalhar, desenvolver um trabalho de design fora do horário comercial dela. Isso era meio chato, muitos dispensavam a gente. Estavam felizes em seus empregos e não queriam chegar em casa depois de trabalhar de 9h às 18h e ainda ter que fazer um trabalho para a VTEX.”, conta Gabriel.

Chegaram, então, a uma solução, que é o método que usam até hoje: o candidato deve apresentar um case que tenha desenvolvido em sua trajetória profissional. “É bem mais relevante porque conseguimos entender não só como é o trabalho que ele desenvolveu mas também como ele funciona no dia a dia, como lida com problemas reais e como se relaciona com clientes e com o resto da equipe. Conseguimos avaliar a pessoa culturalmente, não só em nível técnico”. 

Diversificar para crescer

Outro desafio que a VTEX assumiu recentemente é o de aumentar a diversidade entre os funcionários. Essa iniciativa partiu do time de Design há cinco meses e vem repercutindo em toda a empresa. 

“Fomos contratando, crescendo e começamos a reparar que o time estava bastante desequilibrado em relação a gênero e diversidade em geral”, diz Gabriel. Sem diversidade, minorias em um time não se sentirão confortáveis ​​e representadas. Então, a partir daí, tomamos a decisão de fazer hunting apenas de mulheres no Linkedin, para começar a equilibrar nossa equipe de novo.”. 

Embora o recorte inicial seja de gênero, o plano é ampliar o foco para outras minorias no futuro. E algumas mudanças já estão em curso: o time conta hoje com pessoas negras, de outros estados e LGBTQIA+. O impacto no dia a dia já é perceptível, afirma Gabriel: 

“Temos reuniões mais produtivas, as pessoas do time estão mais empoderadas, mais engajadas, felizes. Há ideias diferentes na mesa. Tudo muda”.

O amadurecimento do processo de recrutamento da VTEX fica evidente em outras iniciativas recentes da empresa. Entre elas, o uso da plataforma Lever, que ajuda a mapear leads e entrevistas e proporciona métricas. Por exemplo, quantas pessoas em média são contatadas até que cada contratação seja efetuada. O time de Talent Acquisition, criado há cerca de três meses, é parte da formalização do recrutamento na empresa e vem guiando as outras áreas nesse processo. Os funcionários também são encorajados a indicar e buscar ativamente candidatos por meio de campanhas como “Hiring is everyone’s job”.

“Os grandes desafios de contratação continuam os mesmos. Mas, hoje, pelo menos, estamos mais preparados para enfrentá-los”, conclui Gabriel.


Acreditamos no poder do talento e estamos contratando.

Keep Reading: Related Stories
Institucional

Como minha experiência no time de Suporte mudou minha visão de carreira

O meu encontro com a VTEX foi completamente não planejado. Eu estava focada em me mudar para São…

Bruna Tolini
Bruna Tolini
Estratégia

VTEX nomeada empresa Visionária no 2020 Gartner Magic Quadrant for Digital Commerce

Há mudanças importantes entre os provedores de tecnologia Estamos orgulhosos em anunciar que a VTEX foi classificada como…

Robert Poratti
Robert Poratti
Institucional

VTEX é a plataforma de e-commerce que mais cresce no mundo, segundo o IDC

O relatório IDC Worldwide Digital Commerce 2019 Market Share, publicado em junho de 2020, indica que a VTEX…

Robert Poratti
Robert Poratti
Institucional

Amor além das siglas: uma conversa sobre afetos

Quando falamos de população LGBTQIA+, costumamos pensar em pessoas que se interessam sexualmente por outras. Muitas vezes nos…

Claudio Lima
Claudio Lima
Institucional

Discriminação profissional e mercado: a cultura é transformada diariamente

No cotidiano do mercado de trabalho, o comportamento discriminatório é um motivo relevante para que alguém desenvolva características…

Augusto Almeida
Augusto Almeida
Institucional

Começando minha carreira sem precisar me esconder

Um relato sobre as novas conquistas da comunidade LGBTQIA+ Lembro-me do meu primeiro dia. De tão nervosa, quando…

Julia Rocha
Julia Rocha
Institucional

Nosso mundo cor-de-rosa tem mais cores

Conheci a VTEX no início de 2018 pelas redes sociais. Na época, uma amiga que trabalhava na sede…

Fernanda Stussi
Fernanda Stussi
Institucional

Empregabilidade para ser quem se é

Nenhuma entrevista é trivial. Apesar do que dizem os textos inspiradores e as autobiografias profissionais com um toque…

Joao Guida
Joao Guida
Institucional

Decisões humanas e bem sucedidas: como uma cultura de produto inclusiva pode ser estratégica

Quanto mais influenciamos, mais devemos estar conscientes de nossa responsabilidade. Por favor interprete meu uso do pronome “Nós”…

Davi Costa
Davi Costa
Veja Mais
Registro feito com sucesso