PT | BR
Estratégia

Black Friday: garantindo a privacidade de dados durante o pico de vendas

Manuela & Raphaela
Manuela & Raphaela November 25, 2021
Black Friday: garantindo a privacidade de dados durante o pico de vendas

Nos últimos anos, escândalos relacionados ao vazamento e exposição de dados levaram países, empresas e diferentes indústrias a não só regulamentarem a privacidade de dados dos usuários no mundo digital, mas também a amplamente discutirem-na.

Isso, claro, se aplica ao mundo do ecommerce:  o crescimento sem precedentes dos últimos anos fez com que adequações necessárias no que tange à questão da privacidade fossem postergadas pelas empresas, justamente pela necessidade urgente de focar nas vendas, que são seu maior objetivo. Agora que o conhecimento do quanto é preciso proteger dados vem ganhando espaço e que o assunto passa a preocupar consumidores e vendedores, o próximo questionamento é exatamente de como garantir a privacidade em meio ao pico de vendas.

Privacidade de dados na Black Friday

Segundo pesquisa do Adobe Analytics, de 2019 para 2020 viu-se um aumento de 21,6% na quantidade de transações online durante o período, número que deve ser superado em 2021. 

Na Black Friday e no final de semana seguinte à data, o número de pedidos é maior do que em qualquer outro dia do ano: em 2020, foram 2,8 milhões, um total 14% que no ano anterior. É de se imaginar que, como consequência do fluxo acelerado de compras, existe também o  crescimento do fluxo de dados — pessoais, financeiros e todas as demais informações necessárias para a realização das aquisições e entregas das mercadorias.

A exposição desses dados, antes encarada sem muita desconfiança, hoje é amplamente protegida legalmente: os dados tratados devem ter finalidade clara para tal, ser facilmente alterados e excluídos a pedido de seus titulares e eliminados assim que tiverem seu objetivo cumprido, entre muitos outros requisitos. Atualmente, o não cumprimento destes dispositivos legais pode acarretar, além de uma veiculação negativa do nome das marcas, multas exorbitantes –  no caso do WhatsApp e do Google, as penalidades chegaram a 225 milhões de dólares e 50 milhões de dólares, respectivamente.

A grande questão está relacionada ao volume: como é maior o número de transações e de pedidos, também é o de dados compartilhados e que acabam sendo processados. Por isso, tomar as medidas necessárias e garantir que todas as práticas de segurança estão em vigor é fundamental.

O que fazer para garantir a privacidade dos usuários?

Tendo isso em vista, quais são as principais medidas a serem adotadas para tentar mitigar qualquer possibilidade de descumprimento, sobretudo em um período onde as vendas aumentam tanto? Primeiro, estar associado a uma plataforma confiável do ponto de vista de segurança e privacidade é não só uma vantagem comercial, como também um requisito quase essencial para quem trabalha no mundo do e-commerce. 

Plataformas que, aliado ao uso de tecnologias de alto padrão, contem com certificados de segurança, com documentos que especifiquem o tratamento e transferência dos dados e, por fim, que estabeleçam processos internos para oferecer atendimento aos titulares dos dados já garantem aos lojistas um certo nível de adequação às normas, justamente por também serem responsáveis em algum nível.

Além disso, é necessário estar atento a outras medidas de responsabilidade do próprio e-commerce e de seus respectivos administradores. Com o nível de maturidade que se está alcançando no meio virtual, é imprescindível a criação e a disponibilização de políticas de privacidade que elucidem a maneira com a qual se tratam os dados, assim como políticas de cookies (que traçam ações e preferências do usuário) e outras, a depender de como e para quê os dados são utilizados. 

Estabelecer fluxos internos de atendimento aos titulares e garantir que o exercício de seus direitos possam ser facilmente atendidos não deve ser exceção entre as empresas, mas sim unanimidade no meio do comércio eletrônico. Isso não apenas em respeito aos consumidores, que depositam confiança ao compartilhar seus dados, mas também por ser algo mandatório do ponto de vista jurídico.

O que pode ser visto como um esvaimento desnecessário de recursos das empresas é, na verdade, um investimento no crescimento e na confiabilidade por parte do público. Não apenas demonstra que a loja observa seus direitos e deveres, como também mostra que prioriza transparência, responsabilidade e respeito com a confidencialidade e privacidade dos indivíduos, independente do fluxo de compras existente.

Para mais informações sobre confiança, transparência e confidencialidade, nós da VTEX recomendamos que acessem o VTEX Trust Hub, onde estão públicos nossos avisos externos de privacidade, acordos de tratamento de dados, campos para requisição por parte dos titulares e muito mais.

Continue lendo: artigos relacionados
Estratégia

O que é um marketplace: modelos in e out

O crescimento constante do comércio eletrônico resultou no surgimento de várias modalidades de vendas online. Talvez a mais…

Lalo Aguilar
Lalo Aguilar
Estratégia

Como o ecommerce e o marketplace andam de mãos dadas

Os marketplaces tornaram-se uma das tendências mais adotadas no espaço do ecommerce, e por bons motivos. As empresas…

Lalo Aguilar
Lalo Aguilar
Estratégia

Um guia para os diversos tipos de marketplaces

Os marketplaces (também conhecidos como e-marketplaces ou marketplaces online/digitais) são um modelo de negócio estabelecido na indústria do…

Andreea Pop
Andreea Pop
Estratégia

Líderes compartilham estratégias para obter suporte para a mudança de plataforma

A mudança de plataforma é muitas vezes vista pelas empresas como um “mal necessário” para sua operação de…

Lalo Aguilar
Lalo Aguilar
Estratégia

Os marketplaces de moda que estão levando a melhor no jogo do ecommerce

Os marketplaces, caracterizados por contar com múltiplos sellers terceirizados que vendem em um único ponto de contato e…

Andreea Pop
Andreea Pop
Estratégia

Time-to-market: O truque na manga para sua transformação digital

É evidente que o time-to-market (TTM) é extremamente significativo para qualquer transformação digital. Quanto menor ele for, mais…

Andreea Pop
Andreea Pop
Estratégia

As mais rápidas migrações de ecommerce

O time-to-market (ou time-to-revenue, como às vezes chamamos) é extremamente importante para qualquer projeto de transformação digital ou…

Andreea Pop
Andreea Pop
Estratégia

Migração de plataforma de ecommerce: superando a resistência à mudança

As empresas, assim como as pessoas, podem ser relutantes a mudanças. A proposta de superar a incerteza pode…

Lalo Aguilar
Lalo Aguilar
Estratégia

Estratégias fundamentais da equipe da VTEX em um projeto de migração de plataforma

Ao migrar sua plataforma de ecommerce para um fornecedor diferente, torna-se ainda mais importante compreender quais são as…

Gabriela Porto
Gabriela Porto
Veja Mais
Registro feito com sucesso