Estratégia

Como construir uma estratégia time-to-market bem sucedida no e-commerce

Lorren Klinke
Lorren Klinke August 13, 2020
Como construir uma estratégia time-to-market bem sucedida no e-commerce

Time-to-market acelera o desenvolvimento de produtos e serviços, melhora experiência do cliente e entrega mais resultados para o varejo

A construção de uma estratégia time-to-market de sucesso no e-commerce parte de uma mudança cultural que torna as empresas mais ágeis e capacitadas a lidar com as transformações do mercado. O uso de tecnologia e a redefinição de processos para eliminar desperdício com atividades repetitivas caminham lado a lado com técnicas de desenvolvimento ágil e a análise de dados para acelerar o desenvolvimento de produtos e serviços.

O resultado é uma empresa mais capacitada para atender bem o cliente e surpreendê-lo. Para isso, porém, é preciso ter disciplina, organização e planejamento. “O time-to-market é feito para que as empresas corram à frente do mercado, em vez de continuarem correndo atrás”, conta Leonardo Siebra, sócio-diretor da Agência e-Can. “Com ele, é possível identificar rapidamente pontos de melhoria e colocar soluções com mais velocidade no mercado”, acrescenta.

Para um bom time-to-market, é preciso entender o que o cliente busca, para atender a essas necessidades em tempo recorde. “É essencial entender os sinais que o cliente está emitindo e entender os movimentos para criar estratégias a partir daí”, diz Siebra. Em parceria com a Agência e-Can, a VTEX promoveu um webinar para mostrar como construir uma estratégia time-to-market bem-sucedida no e-commerce. Confira os principais pontos do webinar:

O que é time-to-market?

Podemos definir time-to-market como o conjunto de técnicas utilizadas para diminuir o tempo decorrido entre a ideia e o lançamento de um produto ou serviço. “O time-to-market deve trabalhar todas as etapas desse processo, como a prototipagem, o design, a realização de testes e homologações, para acelerar o desenvolvimento dos produtos e serviços”, comenta Pedro Cunha, Sales Director da VTEX.

“Ser o primeiro a chegar ao mercado com um novo produto ou serviço pode ser uma grande vantagem competitiva em muitas situações. Por isso, ter uma estratégia time-to-market gera resultados efetivos para o negócio”, acrescenta Leonardo Siebra, sócio-diretor da Agência e-Can. Para ele, atualmente o time-to-market é tão importante quanto a qualidade do produto. “É uma questão estratégica para o sucesso dos negócios e para engajar o consumidor”, acredita.

O time-to-market em um mundo digital

Em um mundo com excesso de informação e consumidores com elevado nível de exigência, a capacidade de reagir rapidamente às oportunidades e desafios do mercado se torna ainda mais importante. Um exemplo é o setor de moda, em que o lançamento constante de coleções estimula o cliente a retornar. “O sucesso do See Now Buy Now, em que coleções já estão disponíveis para compra online no momento em que são apresentadas na passarela, mostra o quanto o consumidor deseja aquilo que é novidade.

A pandemia acelerou ainda mais esse movimento. Um bom exemplo é o live commerce, em que o cliente, durante uma live que está assistindo, pode adquirir os produtos que são apresentados na tela. “Varejistas como Grupo Soma e Dengo Chocolates têm apresentado experiências incríveis que exploram muito bem a agilidade na colocação de novidades no mercado e estimulam novas visitas”, analisa Cunha, da VTEX. “Isso gera relacionamentos muito mais próximos e, com o uso intensivo de dados, permite identificar tendências e gerar insights para realimentar o processo de desenvolvimento de produtos e serviços”, completa.

Outra tendência crescente é a do Social Selling. “Time-to-market também significa entregar mais rápido para o cliente o que ele quer. No Social Selling, significa acelerar a experiência de compra”, explica o executivo. Soluções de integração de canais, em que o vendedor conversa com o cliente e monta o carrinho para ele, para que o consumidor somente confira e pague, atendem o cliente com mais eficiência e fazem o varejo contornar as restrições trazidas pela pandemia.

“Não é só o varejo tem que pensar em como resolver rapidamente as demandas dos clientes. Nós mesmos, como plataforma, temos um trabalho constante de simplificar processos para colocar novas funcionalidades rapidamente no ar. Isso foi fundamental no início da pandemia, em que muita gente viu que estava despreparada para a nova realidade”, comenta Cunha. “O time-to-market abre grandes oportunidades, mas somente para quem está estruturado para aproveitar”, afirma Siebra, da Agência e-Can.

Time-to-market: planejamento e inovação

Se o tempo de lançamento de um produto ou serviço no mercado é um fator de diferenciação, como acelerar o time-to-market? “O principal conceito é entender que acelerar o time-to-market não significa queimar etapas do lançamento do produto, nem lançar sem testar”, alerta Siebra. “É preciso ter planejamento, redesenhar processos e automatizar ações”, conta.

Uma estratégia de time-to-market tem muito a ver com um modelo de pensamento digital, já que muitas filosofias e ferramentas típicas do mundo das startups reduzem a complexidade do desenvolvimento e diminuem o tempo para que uma ideia saia do papel e gere aumento de vendas e resultados.

1)      Decisões baseadas em dados

Analisar os sinais a partir dos dados reais de consumidores traz vantagens em vários aspectos. “Dados trazem respostas mais rápidas e permitem identificar insights mais rápido”, diz Siebra.

2)      Desenvolva o MVP

O Produto Mínimo Viável (MVP, na sigla em inglês) é a versão mais simples e funcional da sua solução, que funciona como o ponto de partida para colocar o produto/serviço no mercado. “O MVP permite que você coloque o produto na mão do cliente e comece a aprender com o consumidor quais são os pontos de melhoria. É um processo que simplifica, barateia e acelera o desenvolvimento de soluções”, explica Siebra. Em um mundo que muda rápido, ter esse contato constante com o cliente evita desperdiçar recursos.

3)      Trabalhe a prototipagem

Um caminho importante para acelerar seu time-to-market é trabalhar com protótipos que tornem o desenvolvimento de produtos mais certeiro. “A prototipagem melhora a receptividade do cliente e permite identificar melhor os pontos de melhoria, tanto físicos quanto de usabilidade”, diz Cunha.

4)      Colabore

O desenvolvimento é mais acelerado quando você trabalha em parceria. “O varejo de moda tem investido muito em collabs, que são as coleções lançadas em conjunto com empresas, designers, artistas, influenciadores e marcas. Eles trazem novas ideias e insights diferentes, gerando um conjunto de novas soluções e atendendo o mercado melhor e mais rápido”, explica Siebra.

5)      Meça resultados

Esse ciclo de desenvolvimento ágil de produtos e serviços não fecha se não houver a medição dos resultados. Esse é o feedback que precisa ser trazido de volta para o desenvolvimento, para que seja possível percorrer rapidamente o caminho para o sucesso. “O varejo precisa ter em mente que esse conjunto todo de medidas é muito importante para lançar produtos, serviços e até mesmo eventos de forma mais segura e com melhor desempenho”, analisa o executivo da e-Can.

Confira a íntegra do webinar e saiba como construir uma estratégia time-to-market bem-sucedida no e-commerce.

Em tempos de avalanche de informações, misturada a um cenário e contexto inéditos, a VTEX elaborou uma série de conteúdos didáticos e direcionados para ajudar você a navegar em meio ao atual momento do mercado. A série VTEX Masterclass terá mais de 30 webinars ao longo do ano, para que você possa obter, em primeira mão, insights e conteúdos relevantes para direcionar o seu negócio rumo à era digital.

Embarque nessa jornada definitiva rumo à transformação digital.

Continue lendo: artigos relacionados
Estratégia

7 passos simples para garantir uma boa usabilidade de uma loja online

Você conhece a importância da usabilidade de uma loja online? Para destacar a sua loja online dos demais…

ESHOPPER
ESHOPPER
Estratégia

Uma linha do tempo para a implementação do conversational commerce

Os novos hábitos de compra dos consumidores, o boom do comércio social e a tendência voltada para a…

Gabriela Porto
Gabriela Porto
Estratégia

Como otimizar o checkout e aumentar a conversão em sua loja online

As vendas no ecommerce vem experienciando um crescimento considerável nos últimos anos. Segundo a Ebit/Nielsen o Brasil bateu…

Caroline Dias
Caroline Dias
Estratégia

9 principais diferenças entre o ecommerce B2C e B2B

Você já se perguntou como cada modelo de negócio requer uma arquitetura e um conjunto de funcionalidades diferentes?…

Iris Irikura
Iris Irikura
Estratégia

Como crescer a sua estratégia omnichannel com live shopping

Se existe algo que é uma constante no mundo digital e no mundo do ecommerce é a inovação…

Taissa Araujo
Taissa Araujo
Estratégia

Aumente o faturamento da sua loja virtual com entregas cada vez mais rápidas

Descubra como as estratégias logísticas usando dark stores têm garantido entregas em tempo reduzidoe se tornado tendência no…

Rebeca Maffra
Rebeca Maffra
Estratégia

O que uma plataforma de comércio omnichannel pode oferecer aos varejistas?

Ninguém entra no varejo pensando “Vou vender este único produto a este preço e neste canal para sempre”.…

Cody Stapleton
Cody Stapleton
Estratégia

Como integrar o conversational commerce em sua operação omnichannel

Um dos paradigmas das marcas é estar disponível onde quer que os clientes estejam e ser capaz de…

Diana Mourão
Diana Mourão
Estratégia

Conversational commerce: a mais nova tendência digital que está fortalecendo as empresas B2C e B2B

Por trás de qualquer tipo de negócio, há um ser humano. Isso é um fato. Portanto, tanto faz…

Juliana Sánchez
Juliana Sánchez
Veja Mais
Registro feito com sucesso