Estratégia

Black Friday: As estatísticas mostram o que esperar do evento em 2021

Andreea Pop
Andreea Pop October 25, 2021
Black Friday: As estatísticas mostram o que esperar do evento em 2021

Uma constatação animadora, porém preocupante para as pessoas envolvidas no comércio é que a Black Friday está bem próxima. O evento acontecerá no dia 26 de novembro de 2021, seguido pela Cyber Monday três dias depois. Esse período de Black Friday e Cyber Monday é especial, pois é a segunda edição da grande temporada de vendas no varejo que acontece durante a pandemia do coronavírus. 

Isto significa que as vendas digitais ainda deverão desempenhar um papel principal, mas, ao contrário do ano anterior, as marcas e os varejistas não precisarão ficar adivinhando as melhores estratégias em “tempos sem precedentes”. Nada de ficar sem rumo em territórios desconhecidos. Desta vez, é possível tomar decisões informadas com base no que funcionou anteriormente e prever com precisão o que está por vir para seus negócios online. 

Para ajudar nesse sentido, reunimos algumas estatísticas da Black Friday para que você saiba o que esperar em 2021.  

O digital está ganhando do físico

É fácil imaginar a tradicional atmosfera da Black Friday: chegar à loja cedo e às vezes até de madrugada; filas intermináveis; e muitas pessoas tentando conseguir as melhores ofertas, as “destruidoras de portas”. O nome dado aos descontos acaba fazendo sentido, pois refere-se a descontos realmente bons que fazem os clientes destruírem as portas a fim de consegui-los primeiro. 

Mas o que historicamente era uma experiência de compra nas lojas físicas migrou para a Internet. As vendas online da Black Friday e da Cyber Monday estão em ascensão desde 2016 e, mesmo antes da pandemia, os consumidores começaram a preferir as compras digitais. Por exemplo, em 2019, a National Retail Federation informou que mais americanos compram online do que em lojas físicas. 

O online está ganhando das lojas físicas por vários motivos. 

1. Melhores descontos

Esta é uma estratégia que muitos varejistas usaram para descongestionar suas lojas físicas, porque o espaço online pode ser aumentado e diminuído conforme necessário, enquanto o espaço da loja física permanece o mesmo.

2. A ascensão da internet 

O crescimento do ecommerce em geral pode ser correlacionado com a popularidade da Internet em todo o mundo. O número mundial de internautas está em constante crescimento, assim como a taxa de penetração global dos smartphones. Como o ecommerce frequentemente é visto como a alternativa mais conveniente e rápida para comprar, não surpreende que a Black Friday também tenha sido digitalizada. 

3. O efeito da pandemia

A cereja do bolo para preocupar as lojas físicas, sem dúvidas, foi a pandemia do coronavírus. Depois de uma edição quase totalmente digital em 2020 devido ao distanciamento social, parece que 2021 será melhor para os comerciantes de lojas físicas, mas o varejo não voltará ao que era pré-pandemia.  

Por um lado, a análise do tráfego de clientes nas lojas físicas nos meses anteriores mostra um grande aumento no número de visitas aos shoppings. Por outro lado, as preocupações com a variante Delta e o crescimento dos casos levaram algumas lojas físicas, como o Walmart, a anunciar seu fechamento durante a Black Friday, com o objetivo de tornar as compras mais seguras. Nessa mesma linha, os clientes continuam relutantes em fazer compras presencialmente quando é esperado um grande número de pessoas. 

Black Friday statistics

A pandemia também forçou muitas pessoas a fazer compras online, seja pela primeira vez ou com maior frequência, e é pouco provável que elas parem de repente. Todas essas mudanças irreversíveis fizeram com que o digital ultrapassasse o físico, e talvez esse cenário não mude mais. 

A receita do digital está disparando

Globalmente, a receita das vendas online aumentou em 36% em 2020. Nos Estados Unidos, especificamente, as compras online na Black Friday chegaram a US$ 9 bilhões, um crescimento de 22%, e US$ 14 bilhões em todo o final de semana da Black Friday. No total, o período de cinco dias de Black Friday e Cyber Monday movimentou cerca de US$ 34 bilhões, que contabilizam 18% do total de vendas online em 2020.  

No entanto, um dado importante a ser considerado é que, em 2020, os gastos arbitrários caíram drasticamente, com uma média de US$ 312 em comparação com US$ 362 em 2019. Mas agora a economia está se recuperando lentamente, por isso as pessoas esperam gastar mais este ano, recorrendo às suas reservas feitas durante a pandemia ou às opções de financiamento “Compre agora, pague depois“. O setor está esperando um crescimento de 20% em relação ao ano anterior nas vendas online deste ano.  

Black Friday statistics

O negócio agora é a Cyber Monday, e a BFCM está ficando maior 

A corrida não termina quando o relógio marca meia-noite, que seria o fim oficial da Black Friday. As empresas de comércio sazonal sabem que a Cyber Monday é, talvez de forma contraintuitiva, a grande ameaça. Tanto em 2019 quanto em 2020, as vendas da Cyber Monday superaram as da Black Friday devido aos seus melhores descontos, ganhando o título de maior dia de vendas digitais de todos os tempos, pelo menos na história dos Estados Unidos e do Reino Unido (os grandes eventos de varejo da China, como o Dia dos Solteiros, superam esse com vantagem). 

O período entre a Cyber Monday e o Natal é muito curto, então os varejistas começaram a estender a BFCM até o final do ano, tanto online quanto offline — às vezes começando semanas antes da Black Friday. No Brasil, os varejistas adotaram o chamado Black November, com o objetivo de oferecer descontos e promoções durante todo o mês de novembro. 

Em geral, toda a temporada de compras de final de ano, que começa no Dia de Ação de Graças nos EUA, é o período mais exigente do ano no varejo: 30% de todas as vendas de varejo do ano ocorrem no período desde a Black Friday até o Natal. 

Eles estão promovendo descontos com uma abordagem de oferecimento prolongado, o que, por sua vez, facilita uma experiência de compra mais segura nas lojas físicas e reduz as chances de atrasos no envio de pedidos feitos online. 

O interesse na Black Friday está aumentando

Segundo a SEMRush, o crescimento interanual das buscas pelos termos “Black Friday” cresceu significativamente no mundo inteiro nos últimos anos. Por exemplo, nos EUA, entre 2017 e 2018, houve um crescimento de 8,71%, seguido por 4,59% entre 2018 e 2019, e no ano passado apresentou incríveis 34,13% de crescimento interanual. Em 2021, as buscas provavelmente não crescerão no mesmo ritmo, mas o aumento provocado pelo efeito pandêmico garantirá tendências positivas. 

Em termos de interesse regional pela Black Friday em 2020, o Brasil liderou os resultados, com um crescimento de 48% no interesse de busca, seguido pelos EUA e pelo Canadá disputando o título de segunda nação mais engajada, com aproximados 34%. No entanto, dado que a América Latina atualmente é o mercado de ecommerce de varejo regional que mais cresce segundo o eMarketer, os varejistas que têm operações na área provavelmente se beneficiarão deste crescimento em 2021 e nos anos seguintes. 

Os eletrônicos de consumo assumem a liderança

A análise da SEMRush também considerou os três principais produtos e grupos de produtos mais disputados pelos clientes durante a BFCM. As categorias mais populares foram laptops, TVs e micro-ondas. Já os produtos mais vendidos foram os famosos Nintendo Switch, PlayStation e Apple AirPods, seguindo as tendências do ano anterior: os produtos tecnológicos mais caros sempre foram e continuam sendo a principal atração do evento. 

No entanto, os eletrônicos de consumo não são tudo. Os varejistas de moda também têm lançado mão de grandes descontos, e há quem diga que o setor de brinquedos não deve ser subestimado. A decoração para casa provavelmente será outro concorrente para o prêmio de popularidade, especialmente agora que as reuniões de final de ano finalmente poderão ser retomadas com segurança. 

As descobertas e previsões mais interessantes de todas, entretanto, são os setores de supermercado e CPG. De acordo com o Adobe Analytics, as compras de produtos de supermercado online na Black Friday 2020 aumentaram 397% em comparação com as médias diárias de outubro, mais uma vez em grande parte devido à COVID-19. Já as vendas de produtos para cuidado pessoal aumentaram 556%, enquanto os produtos para animais de estimação aumentaram 254%. Em 2021, estas categorias têm tudo para serem as líderes novamente. 

Black Friday statistics

Os consumidores são omnichannel

Durante todo o período da BFCM e do final de ano em 2020, o tráfego online e os gastos acumulados por tipo de dispositivo apontaram os seguintes números:

  • Desktop: 37% do tráfego, 59% da receita;
  • Smartphones: 58% do tráfego, 36% da receita;
  • Tablets: 5% do tráfego, 5% da receita.

As métricas acima mostram a tendência do consumidor a navegar usando dispositivos móveis e finalizar a compra no computador, talvez devido a uma sensação de maior segurança e conforto. No entanto, esse status quo mostra dois fatos importantes. 

Em primeiro lugar, os clientes são omnichannel. Eles esperam mudar de um meio para outro com facilidade durante a experiência de compra. Isto significa que as lojas online também devem ser omnichannel. A mera possibilidade de adicionar itens ao carrinho enquanto estiver no celular e depois poder finalizar o pedido em um tablet, sem perder o carrinho montado, é muito valorizada pelos consumidores que buscam conveniência, assim como a opção de comprar online e retirar na loja. 

Em segundo lugar, embora o computador ainda seja o líder absoluto em receita, a experiência de compra em dispositivos móveis está cada vez mais importante e, ousamos dizer, é uma necessidade. Além das estatísticas mencionadas anteriormente, vale mencionar que as compras em dispositivos móveis tiveram uma taxa de conversão 15% maior em 2020 e é provável que a tendência continue em 2021, seguindo o crescente número de smartphones. Isto significa que as páginas de navegação e os aplicativos para celulares precisam ser pensados em termos de UX/UI e a velocidade de carregamento da página deve ser super-rápida.

Uma nova sprint

Alguns dos dias mais agitados do ano vão chegar em questão de semanas e os varejistas e as marcas precisam aproveitar todos os recursos à sua disposição para arrasar na Black Friday. Os insights e resultados obtidos no ano passado dão uma pista sobre o que deve ser considerado. No entanto, uma coisa está mais que clara: o ecommerce será indispensável. 

Continue lendo: artigos relacionados
Estratégia

O que é um marketplace: modelos in e out

O crescimento constante do comércio eletrônico resultou no surgimento de várias modalidades de vendas online. Talvez a mais…

Lalo Aguilar
Lalo Aguilar
Estratégia

Como o ecommerce e o marketplace andam de mãos dadas

Os marketplaces tornaram-se uma das tendências mais adotadas no espaço do ecommerce, e por bons motivos. As empresas…

Lalo Aguilar
Lalo Aguilar
Estratégia

Um guia para os diversos tipos de marketplaces

Os marketplaces (também conhecidos como e-marketplaces ou marketplaces online/digitais) são um modelo de negócio estabelecido na indústria do…

Andreea Pop
Andreea Pop
Estratégia

Líderes compartilham estratégias para obter suporte para a mudança de plataforma

A mudança de plataforma é muitas vezes vista pelas empresas como um “mal necessário” para sua operação de…

Lalo Aguilar
Lalo Aguilar
Estratégia

Os marketplaces de moda que estão levando a melhor no jogo do ecommerce

Os marketplaces, caracterizados por contar com múltiplos sellers terceirizados que vendem em um único ponto de contato e…

Andreea Pop
Andreea Pop
Estratégia

Time-to-market: O truque na manga para sua transformação digital

É evidente que o time-to-market (TTM) é extremamente significativo para qualquer transformação digital. Quanto menor ele for, mais…

Andreea Pop
Andreea Pop
Estratégia

As mais rápidas migrações de ecommerce

O time-to-market (ou time-to-revenue, como às vezes chamamos) é extremamente importante para qualquer projeto de transformação digital ou…

Andreea Pop
Andreea Pop
Estratégia

Migração de plataforma de ecommerce: superando a resistência à mudança

As empresas, assim como as pessoas, podem ser relutantes a mudanças. A proposta de superar a incerteza pode…

Lalo Aguilar
Lalo Aguilar
Estratégia

Estratégias fundamentais da equipe da VTEX em um projeto de migração de plataforma

Ao migrar sua plataforma de ecommerce para um fornecedor diferente, torna-se ainda mais importante compreender quais são as…

Gabriela Porto
Gabriela Porto
Veja Mais
Registro feito com sucesso