Estratégia

Aumente o faturamento da sua loja virtual com entregas cada vez mais rápidas

Rebeca Maffra
Rebeca Maffra March 30, 2022
Aumente o faturamento da sua loja virtual com entregas cada vez mais rápidas

Descubra como as estratégias logísticas usando dark stores têm garantido entregas em tempo reduzidoe se tornado tendência no ecommerce

A partir da pandemia de COVID-19, o segmento de alimentos e bebidas tomou espaço no ecommerce. Segundo dados da Associação Brasileira de Comércio Eletrônico – ABComm, a venda neste setor teve alta de 339%. Tendo em vista esse cenário, a necessidade de melhorar a jornada do consumidor no processo de compras online veio como consequência, e tem se tornado mais do que uma tendência logística e, sim, parte da proposta de valor para varejistas do ramo. 

Reconhecendo o aumento da demanda pelos clientes, as empresas têm investido de forma exponencial no crescimento das entregas de alimentos e bebidas. De acordo com dados divulgados pelo Statista, somente de outubro de 2020 a março de 2021 houve um aumento de investimento de 312% nesse segmento.

Investimentos em Entregas de Supermercados Online Aumentam no Segundo Ano de Pandemia Investimentos de capital de risco em todo o mundo na entrega online de alimentos (bilhões) | Fonte: Statista

Quanto ao cliente, a expectativa tem aumentado cada vez mais em relação às compras online. Segundo o E-commerce Trends, um dos principais motivos de abandono de carrinho no ecommerce é o prazo de entrega, com 40,7% . Pensando nisso, as empresas têm reduzido cada vez mais esses prazos para satisfazer o cliente e melhorar a experiência de compra do consumidor, entregando também  comodidade.

A questão chave é compreender como os pedidos estão sendo entregues em um tempo mais curto ao cliente. Uma das estratégias facilitadoras se dá através da implantação de diversos “centros de distribuição”, que podem ser próprios ou de parceiros. Neste artigo será abordada a principal estratégia de logística focada em entregas em tempo reduzido: as dark stores.

 Será apresentado o passo-a-passo para a implementação de cada uma dessas estratégias e seus conceitos e desafios, que são ilustrados pelo case de sucesso do Empório da Cerveja.

Dark Stores: o hack logístico que garante entregas expressas

Dark Stores são “lojas sem vitrine” que são fechadas ao público e atuam como mini centros de distribuição. Esse conceito surgiu no Reino Unido nos anos 2000 e inicialmente não deu certo quando aplicado em um supermercado da região. Não havia pedidos online suficientes para sustentá-la. Em 2009, a varejista britânica Tesco abriu sua primeira dark store para vender computadores e oferecer a conveniência da entrega “clique e retire”. 

Em 2014, foi a vez da rede de supermercados Woolworths abrir sua primeira dark store. Em 2016, sua concorrente Coles, na Austrália, implantou também a sua primeira loja exclusivamente para atendimento online em Melbourne. A principal motivação dessa implantação foi a percepção de que os corredores do supermercado eram ocupados por muitos carrinhos para atender aos pedidos digitais, prejudicando a experiência de quem preferia ir pessoalmente à loja. Como resultado, o negócio online da Coles cresceu 25% somente em 2016.  

Em seguida, as dark stores ganharam grande popularidade na França, no restante da Europa e na Rússia. No Brasil, foi  a partir da pandemia de COVID-19 que este conceito se disseminou com mais força.

Uma pesquisa divulgada pelo qValon, mostra importantes dados que reafirmam a utilidade das dark stores:

  Esse hack logístico é especializado na preparação e retirada rápida de pedidos, visando a otimização do tempo de entrega e eficiência. O diferencial desta estratégia é que, diferentemente de centros de distribuição tradicionais, as dark stores possuem tamanho pequeno. A seleção de SKUs é enxuta, e eles são selecionados de acordo com a demanda local, como por exemplo: azeites, bebidas geladas, produtos de limpeza, pães, saladas e sorvetes. 

Outro fator interessante é que o processo de empacotamento das dark stores duram em média 2 minutos, tempo extremamente reduzido. Estabelecendo um paralelo com as pioneiras britânicas, um estudo divulgado pela AT Kearny revelou que as dark stores podem ser até três vezes mais eficientes do que os supermercados tradicionais.

As dark stores são espalhadas em grande quantidade pelos centros urbanos, e possuem localização estratégica, para que os produtos estejam a poucos quilômetros dos locais de entrega. Usualmente os varejistas utilizam um raio de até 2 quilômetros de distância para a seleção do galpão. Outra vantagem é que, diferentemente dos centros de distribuição tradicionais, não há custos com adequações, decoração ou preocupação com a localização ideal da loja, já que os clientes não possuem acesso a elas. Assim, torna-se uma solução econômica e com custos operacionais reduzidos, liberando o varejista para gastar com o que importa: uma melhor experiência para o cliente final. 

Qual desafio para implementar dark stores?

O principal desafio para implementar essa estratégia é o mesmo de lojas que atuam apenas pelo ecommerce (pure player): a demanda por pedidos tem que ser totalmente digital sem o auxílio de uma experiência física.

O que fazer para implementar essa estratégia de logística?

  • Priorizar a escolha de uma localização estratégica: as dark stores precisam estar localizadas em um raio de até 5 quilômetros do local de demanda de pedidos, para que as entregas possam ser feitas com agilidade;
  • Elaborar um processo eficiente de escolha de SKUs: a seleção precisa ser feita de acordo com os hábitos dos consumidores da região. As dark stores armazenam uma quantidade pequena de SKUs, então é importante que eles sejam escolhidos de forma assertiva;
  • Gerenciar os pedidos de forma que eles sejam redirecionados para os centros de distribuição mais próximos, garantindo assim menor custo de logística e tempo de entrega.

O que a Empório da Cerveja nos ensina sobre a estratégia de utilização de dark stores:

A Empório da Cerveja é um ecommerce de bebidas alcóolicas, focado em cervejas artesanais, importadas e também específicas de diversas regiões, do segmento premium ao super premium. Foi fundada em 2011 pela AMBEV, e seu portfólio é composto por bebidas do grupo e algumas outras parcerias. A Empório da Cerveja faz entrega em diversas regiões do Brasil, e a utilização de dark stores tem trazido grandes benefícios para seu ecommerce.

Cliente VTEX desde 2018, foi em 2019 que o projeto piloto desta estratégia logística entrou em operação, através de um mapeamento de demanda da região que possibilitou entender as melhores localizações destes pequenos centros de distribuição.  A estratégia de dark stores teve início quando a empresa observou que já tinha uma estrutura pré-definida de centros de distribuição espalhados pelo país (franquias, pontos de venda, operadores regionais), que precisariam apenas de pequenos ajustes para entrarem em operação como dark stores. Hoje a varejista já possui mais de 20 dark stores em atividade em todo o país. 

A partir da utilização desta estratégia, a Empório da Cerveja registrou maior rentabilidade com a redução de custo de sua cadeia logística, como por exemplo, os impostos que deveriam ser pagos quando são realizadas entregas interestaduais, que neste caso, não são mais necessárias. Atualmente todas as dark stores da varejista oferecem frete grátis ao cliente, além da redução do tempo de entrega como consequência da melhor localização dos centros de distribuição, trazendo também maior satisfação para os clientes finais. O resultado disso trouxe à Empório da Cerveja um aumento de até três vezes de seu faturamento em algumas regiões do país e maior nível de retenção dos clientes.

Em resumo, a estratégia logística por dark stores visa acelerar o processo de entrega através de diversos pontos de coleta em malhas de atuação pré-definidas. E o foco principal é sempre oferecer o melhor serviço ao cliente, e com isso ter um consequente aumento de satisfação, retenção, taxa de retenção e conversão das lojas. 

Tempo é dinheiro para o ecommerce:

É de grande importância que os varejistas que tenham interesse em se manterem atualizados e competitivos no mercado, se adequem às novas tendências e exigências dos consumidores. Com o aumento da concorrência no mundo digital e consumidores extremamente rigorosos, hoje, mais do que nunca, podemos dizer que “Tempo é Dinheiro” quando falamos de comércio eletrônico.

Os volumes de pedidos e o ritmo de crescimento exponencial do ecommerce confirmam que a demanda do consumidor por atendimento rápido existe e tem se tornado cada vez maior. Pensar em logística como proposta de valor para alavancar a conversão é um excelente plano, atrelado à novidades e tecnologias relacionadas a essa frente. 

Atualmente as entregas cada vez mais velozes, facilitadas pelas dark stores, já são conceitos amplamente utilizados, e a realidade atual do ramo de comidas e bebidas no ecommerce.  A pergunta que fica então é: por que não expandir esses conceitos para outros segmentos? 

Consumidores querem comprar tempo e as empresas têm a oportunidade de vendê-lo, independentemente do seu segmento. Ofertar tempo e oferecer sempre a melhor experiência ao cliente fará com que os varejistas consigam estar sempre a pelo menos um passo à frente dos demais que não pratiquem essas estratégias.

Continue lendo: artigos relacionados
Estratégia

Black Friday 2022: confira previsões e principais tendências para a data

Há poucas semanas da Black Friday, os recentes dados da Neotrust, empresa especialista em soluções de inteligência trazem…

Isabella Feitosa
Isabella Feitosa
Estratégia

O Programa de Marketplace Certificado VTEX

Saiba mais sobre o nosso Programa de Certificação, entenda seus benefícios e conheça o case do Mercado Livre,…

Ingra Torezin
Ingra Torezin
Estratégia

7 passos simples para garantir uma boa usabilidade de uma loja online

Você conhece a importância da usabilidade de uma loja online? Para destacar a sua loja online dos demais…

ESHOPPER
ESHOPPER
Estratégia

Uma linha do tempo para a implementação do conversational commerce

Os novos hábitos de compra dos consumidores, o boom do comércio social e a tendência voltada para a…

Gabriela Porto
Gabriela Porto
Estratégia

Como otimizar o checkout e aumentar a conversão em sua loja online

As vendas no ecommerce vem experienciando um crescimento considerável nos últimos anos. Segundo a Ebit/Nielsen o Brasil bateu…

Caroline Dias
Caroline Dias
Estratégia

9 principais diferenças entre o ecommerce B2C e B2B

Você já se perguntou como cada modelo de negócio requer uma arquitetura e um conjunto de funcionalidades diferentes?…

Iris Irikura
Iris Irikura
Estratégia

Como crescer a sua estratégia omnichannel com live shopping

Se existe algo que é uma constante no mundo digital e no mundo do ecommerce é a inovação…

Taissa Araujo
Taissa Araujo
Estratégia

O que uma plataforma de comércio omnichannel pode oferecer aos varejistas?

Ninguém entra no varejo pensando “Vou vender este único produto a este preço e neste canal para sempre”.…

Cody Stapleton
Cody Stapleton
Estratégia

Como integrar o conversational commerce em sua operação omnichannel

Um dos paradigmas das marcas é estar disponível onde quer que os clientes estejam e ser capaz de…

Diana Mourão
Diana Mourão
Veja Mais
Registro feito com sucesso