Estratégia

D2C: o caminho para a inovação na indústria

Lorren Klinke
Lorren Klinke May 28, 2020
D2C: o caminho para a inovação na indústria

Adoção do e-commerce D2C permite identificar novas oportunidades de negócios e conhecer melhor hábitos e comportamentos dos clientes

Se os dados são o novo petróleo que alimenta os negócios, quem tem os dados dos consumidores e consegue usá-los corretamente fica em vantagem no mercado. Esse é um dos motivos que impulsionam a indústria a adotar o modelo de negócios D2C – direct to consumer. Nesse conceito, a indústria passa a se relacionar diretamente com o consumidor final e é capaz de conhecer melhor os hábitos, desejos e comportamentos de seus clientes.

“Hoje, mesmo com o aumento das ações de trade marketing e modelos de parceria com o varejo, a indústria ainda não tem uma visão 100% de quem são seus clientes. O D2C dá essa visão e tira esse ‘ponto cego’ da indústria”, afirma Nathan Prestes, CTO da FRN Cubo. Com a possibilidade de dar às empresas a possibilidade de acelerar sua inovação a partir do feedback dos consumidores, o modelo D2C vem se tornando cada vez mais importante na estratégia da indústria.

Em parceria com a FRN Cubo, a VTEX promoveu um webinar que mostra como a indústria pode utilizar o D2C para obter excelência em produtos e serviços. “O uso do online de forma estratégica complementa as vendas em lojas físicas e permite identificar novas oportunidades de negócios. Por isso o D2C ganhará cada vez mais força”, diz Douglas Rodrigues, Sales Director da VTEX.

Confira os principais pontos do webinar:

Uma ferramenta estratégica

O modelo direct to consumer ganha força com a necessidade que a indústria tem de conhecer melhor os clientes. “Quem tem os dados tem a capacidade de tomar melhores decisões”, diz Nathan Prestes. “No passado, o relacionamento da indústria com o consumidor tinha necessariamente que passar por distribuidores e varejistas, mas o online cria novos caminhos”, acrescenta.

Além da distribuição direta da indústria para o consumidor, o D2C ganhou modelos híbridos, como a intermediação por meio de marketplaces, em que a indústria faz o fulfillment, mas o marketplace cuida da promoção e tem os dados do cliente. “Também é normal hoje que as indústrias usem seus revendedores para alcançar os consumidores. Existem diversas maneiras diferentes de realizar esse contato com o público e entendê-lo melhor”, afirma.

Seja qual for o modelo de interação, o D2C traz vantagens importantes para indústrias que querem melhorar o relacionamento com os consumidores finais:

  • Aumento das margens: ao contatar o consumidor diretamente, a indústria pula etapas e tende a chegar ao cliente com preços melhores e margens mais positivas.
  • Mais controle sobre marketing e vendas: quando a indústria vende diretamente ao varejo, é capaz de controlar a comunicação e apresentar seus diferenciais sem filtros.
  • Controle sobre a cadeia de distribuição: com o D2C, a indústria tem um elemento a mais para entender melhor o funcionamento da cadeia e aumenta o controle sobre a produção e a distribuição de produtos.
  • Aumento da capacidade de inovação: por receber mais feedback do consumidor, a indústria ganha velocidade e dinamismo para entregar soluções relevantes para o mercado.

Pelo D2C, a indústria não precisa necessariamente vender os mesmos produtos que vende pelos canais tradicionais. Os maiores ganhos, por sinal, ocorrem quando isso não acontece. “Um bom caminho é vender itens especiais, produtos exclusivos e testar a aceitação do público em relação às novidades”, explica Douglas Rodrigues. “O varejo físico continua sendo o principal canal em termos de receita. Em vez de competir com ele e gerar conflitos com os lojistas, faz mais sentido usar o D2C de forma mais estratégica, entregando produtos que o varejo não entrega”, acrescenta.

Dificilmente uma indústria consegue colocar todo seu portfólio de produtos em um varejista. “Normalmente, o varejo compra os itens da curva A, que têm mais saída. Com isso, a maior parte do portfólio da indústria fica invisível para o cliente. O D2C é uma forma de dar mais visibilidade a esses itens e identificar produtos que poderiam ter um desempenho melhor”, diz Rodrigues.

Operação própria ou terceirizada?

Uma decisão importante a tomar no D2C é internalizar a operação de e-commerce ou terceirizá-la. “O objetivo do D2C é fazer a indústria conhecer melhor o consumidor para se posicionar melhor no mercado e identificar oportunidades. Internalizar a operação é o ideal, mas a empresa precisa ter o conhecimento para isso”, diz Prestes.

É por isso que o D2C costuma ter início em uma estrutura terceirizada, em que um parceiro é contratado para fazer o full commerce. “Há diversos níveis de maturidade, por isso cada caso é um caso. Mas, de forma geral, quando a indústria não tem uma área digital para cuidar da operação online no dia a dia, o caminho é terceirizar, colocando na mão de um parceiro todas as responsabilidades desse negócio. Assim, é possível passar pela curva de aprendizado e, mais tarde, internalizar a operação, sempre com a visão de fortalecer toda a cadeia de distribuição”, analisa Rodrigues.

Como usar o D2C para entregar mais valor?

O D2C é uma estratégia interessante para agregar valor ao relacionamento com o consumidor e gerar novas oportunidades de interação com o público. Vale a pena estar atento a aspectos como:

  • Recorrência: em muitas categorias, é possível estimular o consumidor a comprar de forma recorrente. Isso pode ser feito por meio de assinaturas ou lembrando o cliente, periodicamente, de que é hora de comprar. “O importante é resolver uma situação que seja importante para o cliente, simplificando sua vida”, diz Rodrigues.
  • Fortalecimento da rede: pelo próprio site da indústria é possível fortalecer a rede de revendedores e assistência técnica, levando informações completas para o cliente. Um exemplo é a possibilidade de agendamento de atendimentos da assistência técnica a partir do site da indústria.
  • Sugestão de produtos: para uma experiência mais completa e que mostre a variedade do mix da marca, a indústria pode trazer sugestões de produtos menos conhecidos, para cross-sell e upsell. Isso não gera somente mais visibilidade para os produtos, como também entrega soluções mais completas para os consumidores.
  • Venda de serviços: garantia estendida, instalação, seguros e outros podem ser utilizados para ampliar o relacionamento e elevar o tíquete médio. Isso pode ser feito no próprio checkout, com recursos próprios ou com parceiros especializados.
  • Locação de produtos: não se limite a vender produtos. Em diversas categorias, pode haver demanda por serviços de locação, especialmente no caso de ferramentas e utilidades domésticas. Qualquer item que tenha uma necessidade temporária pode ser locado e traz uma receita adicional para a indústria.
  • Marketplaces: a indústria pode e deve vender dentro de canais de marketplace. Essa é uma estratégia relevante para que o mesmo produto seja disponibilizado em mais canais, com precificação diferente, mas garantindo que a comunicação estará coerente com a imagem da marca.
  • Cross border: a presença global é importante para muitas empresas e o D2C abre a possibilidade de realizar MVPs para testar operações em novos mercados. Isso reduz o custo de desenvolvimento para provar que o negócio funciona, antes de investir em uma operação full.
  • Experiência: por permitir trabalhar com produtos não encontrados no varejo tradicional, o D2C é um bom caminho para personalizar produtos e aumentar o engajamento do consumidor.
  • Facilidade: ao mesmo tempo em que mostra ao consumidor toda a variedade de produtos de uma marca, o D2C permite demonstrar a amplitude do portfólio entregando soluções para o cliente. Um exemplo é fazer a lista completa do chá de bebê com os produtos da indústria e criar um site de relacionamento com o consumidor atendendo à necessidade das mães.
  • Conteúdo: entregar conteúdo também gera relacionamento com o cliente. Que tal apresentar receitas com os produtos de sua marca e já integrar ao e-commerce?
  • Clubes de assinatura: permitem não apenas estimular as vendas em recorrência, gerando engajamento, mas ainda ampliam a possibilidade de experimentação de itens relacionados.
  • Relacionamento com as franquias/revendedores: em redes da indústria que atuam no sistema de franquias ou com revendedoras, o site D2C pode complementar a venda, apresentando itens que não cabem na loja física e remunerando as lojas/revendedoras por vendas online que foram estimuladas pelo PDV.

Confira a íntegra do webinar aqui e saiba como adotar a estratégia D2C para conhecer melhor os consumidores finais e aumentar as vendas e o ritmo de inovação em sua indústria.

Em tempos de avalanche de informações, misturada a um cenário e contexto inéditos, a VTEX elaborou uma série de conteúdos didáticos e direcionados para ajudar você a navegar em meio ao atual momento do mercado. A série VTEX Masterclass terá mais de 30 webinars ao longo do ano, para que você possa obter, em primeira mão, insights e conteúdos relevantes para direcionar o seu negócio rumo à era digital.

Embarque nessa jornada definitiva rumo à transformação digital.

Keep Reading: Related Stories
Estratégia

5 dicas para reduzir os custos de processos logísticos em seu e-commerce

Quer saber o que é necessário para reduzir os custos de processos logísticos no seu negócio? Leia este…

Luiz Samico
Luiz Samico
Estratégia

Grupo Éxito, uma história de sucesso do ‘Dia sem IVA’

O imposto sobre vendas na Colômbia é de 19%, por isso foi um grande negócio quando o governo…

Sorana Gheorghiade
Sorana Gheorghiade
Estratégia

10 insights para você aproveitar a maior Black Friday da história

Do planejamento ao pós-venda, veja ao que você precisa dedicar atenção máxima para obter os melhores resultados na…

Lorren Klinke
Lorren Klinke
Estratégia

VTEX nomeada empresa Visionária no 2020 Gartner Magic Quadrant for Digital Commerce

Há mudanças importantes entre os provedores de tecnologia Estamos orgulhosos em anunciar que a VTEX foi classificada como…

Robert Poratti
Robert Poratti
Estratégia

Os Correios estão em greve: e agora?

A paralisação das operações da estatal responsável pela maior parte das entregas do e-commerce pode ser uma oportunidade…

Alfredo Soares
Alfredo Soares
Estratégia

Como construir uma estratégia time-to-market bem sucedida no e-commerce

Time-to-market acelera o desenvolvimento de produtos e serviços, melhora experiência do cliente e entrega mais resultados para o…

Lorren Klinke
Lorren Klinke
Estratégia

VTEX potencializa o marketplace e os pontos de venda da AB InBev em nível global

A estratégia centrada no cliente da AB InBev leva a uma nova parceria de comércio colaborativo. À medida…

Bernardo Lemgruber
Bernardo Lemgruber
Estratégia

Unified Commerce: algoritmos são centrais na jornada do consumidor e nos resultados

Além de o Omnichannel e o Unified Commerce terem se tornado parte das discussões estratégicas, eles também estão…

Felipe Mattos
Felipe Mattos
Estratégia

Como o pensamento analítico melhora a tomada de decisão no e-commerce

Webinar da série Masterclass VTEX mostra que coleta e uso de dados no e-commerce são fundamentais para o…

Lorren Klinke
Lorren Klinke
Veja Mais
Registro feito com sucesso