Blog VTEX - Como migrar o mercado educacional do offline para o e-commerce?

Como migrar o mercado educacional do offline para o e-commerce?

Erick Moutinho
Erick
31 jul 2018
Reading Time: 3 min

O mercado educacional ainda está muito longe do e-commerce. O setor movimenta cerca de 110 bilhões de reais por ano englobando as mensalidades (do infantil ao ensino médio); cursos regulares como idiomas, natação, judô, balé, entre outros; e o comércio de livros didáticos e paradidáticos e de material escolar.

Ainda assim, menos de 3% deste mercado é dedicado ao comércio eletrônico. De acordo com estudo da Ebit, este percentual representa compras online realizadas por famílias e se destinam à vida escolar de crianças e adolescentes.

Baixas margens para investimentos em tecnologias e em inovação e desconhecimento sobre plataformas digitais são algumas das razões que levam a essa distância entre a maioria das instituições educacionais e o mundo digital.

Do outro lado, famílias buscam soluções ágeis, simples, descomplicadas e seguras para consumir produtos e serviços escolares em um único local. Pais querem mudanças. O mercado educacional precisa se transformar, caso contrário perderá muitas oportunidades. Por isso, a inovação é necessária e urgente.

O papel do e-commerce para o mercado educacional

O e-commerce educacional surge como uma solução inovadora para esses gaps que ainda travam o desenvolvimento do segmento no Brasil. E torna-se um meio facilitador para uma enorme parcela de consumidores já habituados a comprar pela internet, impactando diretamente a vida de instituições, famílias e alunos, transformando o comportamento e as relações de toda a comunidade escolar.

Aliás, o Brasil tem mais de 50 milhões de estudantes, aproximadamente 2 milhões de professores e mais de 200 mil escolas que precisam de soluções para lidar com os desafios de gestão de pessoas, produtividade, relacionamento com as famílias, otimização de tempo, metodologias ativas e maiores investimentos em diferenciais.

E aí que se faz valer o conceito de educação 4.0

Esta é a nova forma de entender o mercado educacional, mais voltado para ações pedagógicas ativas, formação continuada dos professores, utilização de inteligência artificial, ferramentas de ensino aprendizado personalizadas, utilização de tecnologias dentro de sala de aula, além da preparação do aluno para o mercado de trabalho e desafios da vida.

Utilizar as inovações tecnológicas para ajudar a (re) conquistar ainda mais a confiança das famílias, captar e garantir a retenção de aluno é uma saída. A migração para o e-commerce educacional é uma solução para estes problemas e impacta diretamente no crescimento sustentável do mercado.

Não é à toa que o segmento tem avançado no Brasil. Quando falamos de e-commerce voltado para educação, na maioria das vezes, nos referimos a modelos de negócios de startups que ganham espaço e impactam a vida de gestores, professores, pais e alunos, transformando o comportamento e as relações de toda a comunidade escolar.

Dados da Associação Brasileira de Startups apontam que, atualmente, 400 negócios de educação atuam no ecossistema brasileiro. Eles se destacam pela personalização do serviço, variedade de produtos e experiências, baixo custo, além da robusta base de informação, agilidade, eficiência, praticidade e flexibilidade, que devem ser a base dessa segmentação de e-commerce.

Os benefícios de uma experiência de gestão e venda online para o mercado educacional

Uma das principais vantagens de aderir ao e-commerce é que os processos são delegados a um sistema único e o atendimento às famílias passa a ser mais humanizado, ágil e menos estressante para todas as frentes. O que antes a escola poderia levar dias, quando não horas, para resolver, pode ser solucionado em minutos, fazendo toda a diferença na vida de pais e alunos.

Com a saída do modelo de gestão offline, maiores investimentos podem ser feitos em diferenciais competitivos. Conteúdos e ofertas tendem a ser cada vez mais personalizados para o consumidor no e-commerce. O intercâmbio de dados em multiplataformas permite definir um perfil mais personalizado, e, por consequência, trabalhar uma divulgação mais assertiva, além de retratar o próprio nicho do mercado.

A instituição precisa de indicadores, para, a partir destes dados, começar a estabelecer metas, olhando detalhadamente para cada nível de ensino, série ou turma.

Cruzando as informações das escolas, fornecedores, famílias e compras do e-commerce de forma uniformizada e tratada, e consolidando-as com outros dados públicos, é possível produzir insights personalizados para gestão escolar, interesses e estilos de vida dos pais e filhos, além de preferências de consumo.

O resultado são melhores soluções, valor agregado às famílias – quais são as expectativas delas, inovadoras e melhores experiências de ensino e aprendizagem e a transformação da educação.

Conclusão

No e-commerce, as escolas entram para ao mundo digital e os gestores podem fazer aquilo que precisam fazer, que é gerenciar a vida escolar e pedagógica, tendo em mãos as informações úteis e tratadas. Para que isso funcione, é importante contar com uma equipe para gerenciar os interesses e operações comerciais da instituição no digital.

transformação digital está atingindo setores que, até então, concentravam grande parte de suas ações e processos comerciais no mundo físico, como grocery e o próprio mercado educacional. Essa mudança é um caminho sem volta e que tende a unificar, cada vez mais, canais de relacionamento e vendas de diversos segmentos do mercado e seus stakeholders.