Estratégia

Como entender o custo agregado da sua plataforma de e-commerce

Rafael Campos
Rafael Campos October 1, 2015
Como entender o custo agregado da sua plataforma de e-commerce

Ao optar por uma plataforma de e-commerce, é importante entender todos os benefícios que ela irá proporcionar sua loja virtual. Além da possibilidade de promoções, flexibilidade de layout, versão mobile entre outros pontos fundamentais para o dia-a-dia da loja, o principal fator é identificar quais são as principais funcionalidades que vão gerar aumento de vendas e conversão da sua loja.

Entendendo esse potencial, os gestores podem tomar decisões mais precisas pois eles entenderão o Custo Agregado que é o somatório do custo da plataforma mais o custo de mídia. Para ilustrar, vamos usar o exemplo das lojas virtuais fictícias Calçados Legais e Calçados Bacanas. Ambas iniciaram a venda online no mesmo mês e ano, possuem exatamente os mesmos produtos, com os mesmos preços e mesma disponibilidade de estoque. Ou seja, ela são praticamentes iguais a não ser pela plataforma online. Enquanto a Calçados Legais não avaliou as funcionalidades e não entendeu o potencial de taxa de conversão das plataformas, optando pelo sistema com menor custo, a Calçados Bacanas procurou avaliar com detalhes para tomar sua decisão com mais informações. Veja abaixo um comparativo do mês de Outubro de 2015.

Olhando inicialmente para os dados acima a primeira conclusão que podemos fazer é simples. A Calçados Bacanas fatura o dobro da Calçados Legais, mesmo o ticket médio sendo igual. Porém, se olharmos com mais detalhtes, veremos que a Calçados Bacanas obteve o dobro da eficiência da Calçados Legais pois, com a mesma quantidade de visitantes, a loja vendeu o dobro de pedidos e obteve o dobro de faturamento.

Por último, vamos analisar o impacto financeiro real das duas empresas.

Conforme podemos ver acima, na linha Plataforma, a empresa Calçados Legais optou por uma plataforma simples, de apenas R$ 300 reais mensais que representa apenas 0,2% do faturamento. Já a loja Calçados Bacanas, optou por uma plataforma que custa 3% do faturamento, ou seja, R$ 9.000 reais por mês.

Em um primeiro momento, podemos achar que a escolha da Calçados Legais foi a mais acertiva pois o custo é bastante inferior a outra opção. Porém, analisando na linha de marketing, foi o mesmo, R$ 24 mil reais, mas a Legais faturou R$ 150 mil enquanto a Banacas, R$ 300 mil. Com isso, os percentuais do investimento de mídia ficaram 16% e 8% respectivamente.

Agora vamos para a última linha. Enquanto a Legais teve margem de contribuição negativa de -2,20% a Bacanas obteve margem de contribuição positiva de 3%. Ou seja, mesmo a Bacanas pagando mais caro pela sua tecnologia, o custo agregado de Marketing mais Plataforma, gerou resultado positivo.

Em um exemplo real, a VTEX, empresa líder de tecnologia par eCommerce na América Latina segundo Gartner e Forrester, principais institutos de pesquisa, realiza pesquisas com uma amostra significativa de clientes que migraram de plataforma. Esses estudos são auditados pelo Google e mostram que, na média, as empresas passam a registrar aumento de 30% no tráfego orgânico, 54% em conversão, 25% na taxa de aprovação e 4% no ticket médio. Tais indicadores se refletem diretamente no resultado como vimos no exemplo anterior. Segundo a VTEX, o aumento da margem de contribuição pode aumentar em até 8%

Este exemplo é bastante elucidativo especialmente para aqueles diretores de ecommerce ou marketing digital que se encontram num momento de transição de plataforma ou de inclusão no mundo online. A dica mais importante que deve-se destacar é: não olhe somente o custo financeiro da plataforma, mas sim o custo agregado que ela oferece. Afinal como foi visto, as funcionalidades que a plataforma reúne podem otimizar a operação, aumentando ticket médio, conversão, taxa de aprovação entre outros indicadores, o que se reflete em melhores resultados a médio e longo prazo.

Ao optar por uma plataforma de e-commerce é importante entender os custos agregados a ela, que englobam não apenas o suporte da operação em si como também o investimento em marketing. Tendo uma melhor noção do que se está comprando fica mais fácil comparar as soluções com base no custo-benefício de cada uma.

Alguns exemplos de custo agregado são: marketing, impostos, adquirente, CMV, adiantamento financeiro, frete, sistemas anti-fraude, fulfilment etc. Custos estes que variam conforme o tamanho da operação, e impactam diretamente a lucratividade na margem de contribuição do canal online.

Para ilustrar, vamos usar o exemplo de uma empresa que após a tabulação de todos os custos, soma uma margem de contribuição de 2,5%. Imagine que esta empresa, que já possui uma plataforma de mercado no ar, migra para a VTEX. Seus indicadores serão impactados.

A cada seis meses, a VTEX faz pesquisas com uma amostra significativa de clientes que migraram de plataforma, e após análises auditadas pelo Google, sabe que, em média, estas empresas passam a registrar aumento de 30% no tráfego orgânico, 54% em conversão, 25% na taxa de aprovação e 4% no ticket médio. Tais indicadores se refletem diretamente no resultado, o que culmina com uma média de aumento na margem de contribuição de 6,8%. Após ter todos os seus indicadores melhorados, aquela empresa citada no parágrafo anterior então soma agora uma margem de contribuição de 9,3%, o que é bastante expressivo em qualquer operação.

Este exemplo é bastante elucidativo especialmente para aqueles diretores de ecommerce ou marketing digital que se encontram num momento de transição de plataforma ou de inclusão no mundo online. A dica mais importante que deve-se destacar é: não olhe somente o custo financeiro da plataforma, mas sim o custo agregado que ela oferece. Afinal como foi visto, as funcionalidades que a plataforma reúne podem otimizar a operação, aumentando ticket médio, conversão, taxa de aprovação entre outros indicadores, o que se reflete em melhores resultados a médio e longo prazo.

Continue lendo: artigos relacionados
Estratégia

7 passos simples para garantir uma boa usabilidade de uma loja online

Você conhece a importância da usabilidade de uma loja online? Para destacar a sua loja online dos demais…

ESHOPPER
ESHOPPER
Estratégia

Uma linha do tempo para a implementação do conversational commerce

Os novos hábitos de compra dos consumidores, o boom do comércio social e a tendência voltada para a…

Gabriela Porto
Gabriela Porto
Estratégia

Como otimizar o checkout e aumentar a conversão em sua loja online

As vendas no ecommerce vem experienciando um crescimento considerável nos últimos anos. Segundo a Ebit/Nielsen o Brasil bateu…

Caroline Dias
Caroline Dias
Estratégia

9 principais diferenças entre o ecommerce B2C e B2B

Você já se perguntou como cada modelo de negócio requer uma arquitetura e um conjunto de funcionalidades diferentes?…

Iris Irikura
Iris Irikura
Estratégia

Como crescer a sua estratégia omnichannel com live shopping

Se existe algo que é uma constante no mundo digital e no mundo do ecommerce é a inovação…

Taissa Araujo
Taissa Araujo
Estratégia

Aumente o faturamento da sua loja virtual com entregas cada vez mais rápidas

Descubra como as estratégias logísticas usando dark stores têm garantido entregas em tempo reduzidoe se tornado tendência no…

Rebeca Maffra
Rebeca Maffra
Estratégia

O que uma plataforma de comércio omnichannel pode oferecer aos varejistas?

Ninguém entra no varejo pensando “Vou vender este único produto a este preço e neste canal para sempre”.…

Cody Stapleton
Cody Stapleton
Estratégia

Como integrar o conversational commerce em sua operação omnichannel

Um dos paradigmas das marcas é estar disponível onde quer que os clientes estejam e ser capaz de…

Diana Mourão
Diana Mourão
Estratégia

Conversational commerce: a mais nova tendência digital que está fortalecendo as empresas B2C e B2B

Por trás de qualquer tipo de negócio, há um ser humano. Isso é um fato. Portanto, tanto faz…

Juliana Sánchez
Juliana Sánchez
Veja Mais
Registro feito com sucesso