Estratégia

Comissões de marketplaces valem a pena?

Juliana Thuler
Juliana Thuler June 16, 2021
Comissões de marketplaces valem a pena?

“As comissões dos marketplaces são muito altas, não vou vender nesse tipo de canal” – é muito comum escutarmos comentários semelhantes a este de varejistas de todos os tipos de segmento, mas principalmente dos que estão começando a expandir seus negócios para o mundo – ou melhor dizer, para a nova era – a digital. O valor das comissões nos marketplaces podem variar bastante e não seguem uma regra, mas, num cenário amplo, se encontram entre o intervalo de 10% a 20%, representando uma fatia relevante do valor do produto a ser repassado para o marketplace. 

No entanto, é válido entrarmos no detalhe do que subentende o modelo de negócios deste canal de venda: o marketplace pode ser comparado a um shopping virtual, e o lojista, ou seller, é o responsável por expor seus produtos na vitrine deste shopping. Os marketplaces são responsáveis pela captação de clientes e a conversão, oferecem a experiência de checkout (incluindo variados métodos de pagamento, por exemplo) e o canal de suporte com o consumidor. Já o lojista, além de garantir as ofertas disponíveis nas vitrines, também é responsável por manter a comunicação fluida neste canal de suporte e pelo fulfillment do produto (picking, packing e transporte). A seguir detalharemos alguns fatores que influenciam na forma como as comissões dos marketplaces são construídas.

Marketing Digital

Uma vez que o marketplace é responsável por captar os clientes, ele precisa investir massivamente em diferentes mecanismos de publicidade – advertising, SEO, produção de conteúdo relevante e outros conceitos complementares. Sem o investimento no que chamamos de marketing digital, o topo do funil de vendas deste canal é seriamente comprometido, prejudicando o tráfego e, consequentemente, resultando em menos vendas. Sendo assim, devemos considerar o investimento em visibilidade deste canal como uma vantagem competitiva.

Condições de Pagamento

Considerando a experiência de checkout, outra vantagem que os marketplaces oferecem para seus clientes são os mais variados métodos de pagamento como boleto bancário, PIX, cartões de crédito e débito e também outros métodos não tão convencionais como carteiras digitais. Todos esses meios de pagamento cobram do marketplace um porcentual ou então um valor fixo sobre o valor de cada venda, e, em alguns casos, também cobram juros, a depender do número de parcelamento solicitado pelo cliente. 

Ainda dentro da temática meios de pagamento, dois pontos devem ser ressaltados: o primeiro é a necessidade de associação de algum método antifraude no checkout, evitando que atividades maliciosas sejam aprovadas e gerem o prejuízo que conhecemos como chargeback. O segundo ponto é o custo de antecipação, no qual muitas vezes o cliente faz a compra parcelada, mas o marketplace garante o pagamento integral do valor do pedido no ato do cumprimento, o que não compromete o capital de giro do lojista.

Experiência de Compra

Como último ponto forte deste canal, podemos destacar a oportunidade de ter o suporte de toda a experiência de compra – incluindo as etapas pré, durante e pós venda – unificadas em apenas uma plataforma. A vantagem vale tanto para o cliente quanto para o seller, na qual a unificação facilita a agilidade e a fluidez da comunicação. Poder centralizar essas experiências torna o marketplace mais competitivo, mas também torna a sua infraestrutura mais complexa, resultando em custo de gerenciamento e de manutenção da plataforma digital mais elevado.

Conclusão

Finalmente, podemos concluir que os valores de comissão cobrados por marketplaces não se resumem apenas à margem de lucro, eles vão muito além disso! Resumindo os tópicos levantados, podemos citar:

  • gestão de sortimento de produtos;
  • marketing digital e outros mecanismos de publicidade;
  • métodos de pagamento;
  • sistemas antifraude;
  • juros sobre pedidos parcelados;
  • custos de antecipação;
  • suporte ao cliente;
  • gestão e manutenção da infraestrutura da plataforma;

Considerando esses fatores e destrinchando todo o processo de construção do comissionamento, é possível concluir que os shoppings virtuais são ótimas alternativas para se testar novos mercados e ampliar a audiência. Afunilando o tópico para o empreendedor de primeira viagem, o marketplace pode ser eleito o canal ideal para sua estréia no varejo digital, principalmente considerando a possibilidade de testar diferentes estratégias de venda sem comprometer a saúde financeira do seu recém-criado negócio.

Prospectando o futuro desejado da VTEX, ressaltamos um objetivo ousado de longo prazo, onde empoderaremos nossos lojistas a venderem “o que quiserem, por onde quiserem e para onde quiserem”. Uma das maneiras de atingir este objetivo é continuamente ampliar o ecossistema da VTEX, onde identificamos em nosso portal de parcerias  os mais diversos marketplaces estratégicos do mercado, e estes oferecem condições especiais e competitivas de integração, exclusivas para os lojistas na nossa plataforma. 

Torne-se parte desse ecossistema como marketplace parceiro da VTEX ou então usufrua das vantagens que só a VTEX possibilita como agente integrador! 

Continue lendo: artigos relacionados
Estratégia

7 passos simples para garantir uma boa usabilidade de uma loja online

Você conhece a importância da usabilidade de uma loja online? Para destacar a sua loja online dos demais…

ESHOPPER
ESHOPPER
Estratégia

Uma linha do tempo para a implementação do conversational commerce

Os novos hábitos de compra dos consumidores, o boom do comércio social e a tendência voltada para a…

Gabriela Porto
Gabriela Porto
Estratégia

Como otimizar o checkout e aumentar a conversão em sua loja online

As vendas no ecommerce vem experienciando um crescimento considerável nos últimos anos. Segundo a Ebit/Nielsen o Brasil bateu…

Caroline Dias
Caroline Dias
Estratégia

9 principais diferenças entre o ecommerce B2C e B2B

Você já se perguntou como cada modelo de negócio requer uma arquitetura e um conjunto de funcionalidades diferentes?…

Iris Irikura
Iris Irikura
Estratégia

Como crescer a sua estratégia omnichannel com live shopping

Se existe algo que é uma constante no mundo digital e no mundo do ecommerce é a inovação…

Taissa Araujo
Taissa Araujo
Estratégia

Aumente o faturamento da sua loja virtual com entregas cada vez mais rápidas

Descubra como as estratégias logísticas usando dark stores têm garantido entregas em tempo reduzidoe se tornado tendência no…

Rebeca Maffra
Rebeca Maffra
Estratégia

O que uma plataforma de comércio omnichannel pode oferecer aos varejistas?

Ninguém entra no varejo pensando “Vou vender este único produto a este preço e neste canal para sempre”.…

Cody Stapleton
Cody Stapleton
Estratégia

Como integrar o conversational commerce em sua operação omnichannel

Um dos paradigmas das marcas é estar disponível onde quer que os clientes estejam e ser capaz de…

Diana Mourão
Diana Mourão
Estratégia

Conversational commerce: a mais nova tendência digital que está fortalecendo as empresas B2C e B2B

Por trás de qualquer tipo de negócio, há um ser humano. Isso é um fato. Portanto, tanto faz…

Juliana Sánchez
Juliana Sánchez
Veja Mais
Registro feito com sucesso