Estratégia

Adquirentes X subadquirentes: qual deles escolher?

Rafael Campos
Rafael Campos June 2, 2017
Adquirentes X subadquirentes: qual deles escolher?

Uma das tarefas mais complicadas para muitos gestores de e-commerce é a decisão sobre a melhor forma de cobrar e receber o dinheiro. Para isso, existem 2 opções: adquirentes e subadquirentes, também conhecido como facilitadores.

Essa escolha é delicada porque envolve vários critérios de avaliação, como taxas, prazos de recebimento e suporte. Além disso, ela também impacta diretamente os resultados da sua loja, já que afeta sua taxa de conversão e seu fluxo de caixa.

Então, para simplificar um pouco a sua vida, este post vai distinguir os conceitos de adquirentes e subadquirentes. Logo após, apontaremos qual solução mais se adequa às suas necessidades. Acompanhe a seguir!

O que são adquirentes?

Os adquirentes são empresas licenciadas pelas bandeiras de cartão e sua função é liquidar as transações feitas nas lojas. As marcas mais conhecidas desse tipo de solução são a Cielo, Rede, GetNet, Adyen e Elavon, sendo as duas primeiras responsáveis por cerca de 90% de participação nesse mercado.

O processo de liquidação ocorre da seguinte forma: toda vez que um cliente tenta fazer uma compra em sua loja virtual no cartão de crédito ou débito, a adquirente entra em contato com a bandeira usada na transação.

A bandeira (Visa, Master Card, Elo, Amex, Dinners etc.) leva as informações da compra até o banco emissor do cartão do cliente (Santander, Itaú, Bradesco, BB etc.) para validar se há saldo disponível para compra.

Se estiver tudo ok no banco, a bandeira retorna as informações para o adquirente que, por fim, autoriza a compra junto ao e-commerce.

O prazo para o lojista receber o valor da compra varia de acordo com cada contrato, geralmente até 30 ou 31 dias, dependendo do mês, após a confirmação da compra. No entanto, esse prazo pode aumentar ou diminuir de acordo com o contrato firmado entre as partes e com a forma de pagamento usada pelos clientes (débito ou crédito à vista, parcelado).

As taxas aplicadas em cada tentativa de compra também variam em função dos mesmos critérios. Os adquirentes, para pequenos varejistas, normalmente cobram de 3% a 5% para realizar os processamentos de cada transação realizada na loja, sendo que as taxas mais altas vão para as compras parceladas.

Vantagens

A vantagem do uso de adquirentes é mais perceptível quando estamos falando de uma empresa que já possui lojas físicas, pois ao entrar no e-commerce, ela irá conseguir boas taxas. Grandes e-commerces conseguem taxas bem reduzidas, abaixo de 1,5%.

Outro ponto positivo está na possibilidade de trabalhar com mais de um adquirente, mantendo as melhores condições para cada uma das bandeiras. Vamos a um exemplo:

Ao conversar com a Cielo e a Rede, a proposta recebida foi:

adquirentes-x-subadquirentes-qual-deles-escolher1

Sendo assim, sua loja poderia transacionar Visa com Cielo e Master com Rede, obtendo um menor custo global.

Desvantagens

Ao adotar um adquirente, o lojista ainda precisará de outros agentes para garantir que todo o processo seja realizado. O primeiro é o gateway, que funciona como uma ponte tecnológica, conectando a sua loja diretamente com os adquirentes. Alguns players são Braspag e Adyen.

Também será necessário um sistema de gestão de fraude, afinal, por se tratar de uma compra não presencial, o risco de uma transação ser fraude é do lojista. Os sistemas de gestão funcionam como um termômetro, onde após analise dos dados do pedido, do comprador e do endereço de entrega, é dado uma nota indicando qual o risco daquele pedido ser uma fraude.

De posse dessa análise, o lojista pode tomar uma melhor decisão se aprova ou não o pedido. Porém, ainda é necessário correr o risco, mesmo que baixo, de ser uma fraude, além do novo custo somado a operação.

O que são subadquirentes?

Os subadquirentes, também conhecidos como facilitadores, são empresas que fornecem a partir de uma integração e um contrato, todos os elos da cadeia para que a loja possa cobrar e receber o dinheiro. Portanto, um subadquirente vai substituir:

  • gateways;
  • sistemas antifraude;
  • risco de fraude;
  • adquirentes;
  • bancos;
  • e conciliação bancária.

Esse é um serviço menos complexo e mais centralizador do que os adquirentes. Ele é oferecido por marcas como PagSeguro, Moip, Mercado Pago e PayPal, que também são conhecidas e bastante usadas no comércio eletrônico.

Vantagens

Uma das principais vantagens é que os facilitadores ou subaquirentes reúnem todas as soluções de pagamento em uma única ferramenta. Por exemplo, eles possuem seus próprios sistemas de gateways e de gestão de risco.

Isso garante:

  • redução de burocracia;
  • tempo de lançamento da loja;
  • menor risco para o lojista;
  • facilidade no processo de gestão dos meios de pagamento;
  • permite o foco em outras áreas;
  • ganhos de escala.

Desvantagens

A primeira desvantagem pode ser vista com o custo de um facilitador, principalmente para operações de médio ou grande porte onde o custo com o adquirente é reduzido pelo ganho de volume.

Atualmente, os facilitadores cobram entre 4% a 5%, mas já provém todos os serviços necessários para cobrar e receber o dinheiro.

Portanto, você deve avaliar com cuidado quais serão seus custos diretos com o facilitador para poder compará-los com os custos diretos e indiretos de um adquirente.

Outra desvantagem é que, dependendo do plano contratado com o intermediador, o cliente pode ser redirecionado para fora do site da loja para efetuar o pagamento. Ele só retorna para o e-commerce para ver a compra finalizada e os próximos passos (faturamento do pedido e entrega).

Isso é um problema que impacta diretamente nas conversões da loja, já que os consumidores podem se incomodar de sair do ambiente do e-commerce. No entanto, os subadquirentes já oferecem planos com checkout transparente, o que permite o processamento dos pagamentos dentro do próprio site. Assim, o público se sente mais confortável para comprar.

Qual é a melhor opção para o seu e-commerce?

Agora você já conhece as duas opções e suas respectivas vantagens e desvantagens. As diferenças de ambas são claras e são esses pontos que devem ser levados em consideração ao escolher uma solução para o seu e-commerce.

Em relação aos custos, os adquirentes parecem ser opções mais tentadoras, principalmente para medianos e grandes lojistas. No entanto, é bom considerar o investimento necessário para contratar serviços de gateway e antifraude, além de custos indiretos como conciliação e gestão de contratos. Isso pode encarecer a solução ao ponto de equilibrar os valores com os subadquirentes.

Falando nos subadquirentes, os facilitadores, eles são opções mais interessantes para quem não quer ter trabalho com burocracia, precisam lançar a loja com maior rapidez e, principalmente, aqueles lojistas que estão iniciando, afinal, a prometida escala dos adquirentes ainda não será aplicada a sua loja devido a quantidade de pedidos.

Verifique se será saudável para a sua loja lidar com vários fornecedores, se ela pode desenvolver sistemas próprios, se as metas de vendas e receitas não ficariam comprometidas com a adesão a um subadquirente, se os seus clientes exploram diversos meios de pagamento etc.

Recomendamos que você leia nosso artigo completo sobre como calcular os custos, do meio de pagamento, com contas e aplicações reais.

Se você quiser acompanhar mais conteúdos sobre adquirentes, subadquirentes e outros conceitos de e-commerce, siga também nossas páginas no FacebookLinkedIn e o nosso canal no YouTube.

Continue lendo: artigos relacionados
Estratégia

7 passos simples para garantir uma boa usabilidade de uma loja online

Você conhece a importância da usabilidade de uma loja online? Para destacar a sua loja online dos demais…

ESHOPPER
ESHOPPER
Estratégia

Uma linha do tempo para a implementação do conversational commerce

Os novos hábitos de compra dos consumidores, o boom do comércio social e a tendência voltada para a…

Gabriela Porto
Gabriela Porto
Estratégia

Como otimizar o checkout e aumentar a conversão em sua loja online

As vendas no ecommerce vem experienciando um crescimento considerável nos últimos anos. Segundo a Ebit/Nielsen o Brasil bateu…

Caroline Dias
Caroline Dias
Estratégia

9 principais diferenças entre o ecommerce B2C e B2B

Você já se perguntou como cada modelo de negócio requer uma arquitetura e um conjunto de funcionalidades diferentes?…

Iris Irikura
Iris Irikura
Estratégia

Como crescer a sua estratégia omnichannel com live shopping

Se existe algo que é uma constante no mundo digital e no mundo do ecommerce é a inovação…

Taissa Araujo
Taissa Araujo
Estratégia

Aumente o faturamento da sua loja virtual com entregas cada vez mais rápidas

Descubra como as estratégias logísticas usando dark stores têm garantido entregas em tempo reduzidoe se tornado tendência no…

Rebeca Maffra
Rebeca Maffra
Estratégia

O que uma plataforma de comércio omnichannel pode oferecer aos varejistas?

Ninguém entra no varejo pensando “Vou vender este único produto a este preço e neste canal para sempre”.…

Cody Stapleton
Cody Stapleton
Estratégia

Como integrar o conversational commerce em sua operação omnichannel

Um dos paradigmas das marcas é estar disponível onde quer que os clientes estejam e ser capaz de…

Diana Mourão
Diana Mourão
Estratégia

Conversational commerce: a mais nova tendência digital que está fortalecendo as empresas B2C e B2B

Por trás de qualquer tipo de negócio, há um ser humano. Isso é um fato. Portanto, tanto faz…

Juliana Sánchez
Juliana Sánchez
Veja Mais
Registro feito com sucesso