Tendência

É hora de converter mais com conteúdo gerado pelo usuário (UGC)

Carolina Martin Guitart
Carolina Martin Guitart December 24, 2021
É hora de converter mais com conteúdo gerado pelo usuário (UGC)

Coloque-se no lugar dos seus clientes. Você está navegando em uma loja de ecommerce em busca de uma nova geladeira e, de repente, descobre que sua “mãe influenciadora” preferida tem esse mesmo eletrodoméstico em casa. 

Como você descobriu? Ao ver a própria foto dela na página do produto, o que ajuda a ter uma ideia do tamanho daquela geladeira e de como ela fica em uma cozinha de verdade. Esse conteúdo também gera confiança para que você compre o produto, da mesma forma que as avaliações dos clientes! 

Isto é chamado conteúdo gerado pelo usuário (UGC) e é um passo importante para aumentar o engajamento dos clientes e a taxa de conversão de um site.

Todo mundo pode ser influenciado(r)

A era de pessoas perfeitas anunciando produtos perfeitos chegou ao fim. Atualmente, os consumidores são mais atraídos por anúncios protagonizados por pessoas diversas, que representam diferentes culturas, gêneros, etnias, idades e particularidades. Além disso, é mais provável que eles confiem nas recomendações de amigos e familiares e das pessoas que conhecem — mesmo que apenas virtualmente, no caso de influenciadores. 

As marcas também notaram que um pai que veste seu filho com roupas de judô por engano no dia em que a criança vai jogar basquete vende mais do que uma família perfeita tomando um chá da tarde idealizado. A razão pela qual os consumidores acham a imperfeição atraente é simples: eles se veem muito mais nas situações de pequenos erros diários do que em um cenário cordial, limpo e bem-arrumado.

É exatamente isso que acontece com o conteúdo gerado pelo usuário. Como o nome sugere, os próprios usuários criam e compartilham os conteúdos, incluindo notícias sobre suas últimas compras em posts nas redes sociais. O fenômeno pode ser orgânico (não remunerado) ou patrocinado (pago), mas o fato é que isso faz com que todos possam ser criadores de conteúdo. 

Compartilhar as últimas novidades que você comprou no Instagram, por exemplo, agora é normal, mas não fazê-lo é considerado anormal. Agora, você tem a opção de marcar a conta da marca, conseguir um número maior de seguidores usando as hashtags da marca e até ter sua foto compartilhada em um story ou no feed, o que potencialmente trará mais seguidores, curtidas e, claro, dopamina

A resposta das marcas

Em 2020, o número médio de posts por marca por semana no Instagram foi de 4 e, falando em setores específicos, as marcas de moda produziram mais, com uma média de 6,7 posts por semana. Considerando o conteúdo dessas marcas e o número de postagens geradas por usuários únicos, temos uma mina de ouro em constante crescimento pronta para ser explorada.

E o que as marcas podem fazer com este conteúdo criado de forma orgânica? Primeiro, elas podem dar visibilidade aos clientes, mostrando em seus sites as fotos compartilhadas, para melhorar a experiência e o engajamento dos clientes. Eles adoram sentir que estão sendo ouvidos e tratados com importância por suas marcas favoritas, e uma simples integração de conteúdo gerado pelo usuário pode fazer mágica. Além disso, ter depoimentos de clientes, seja por avaliação de forma escrita ou com fotos de modo visual, pode oferecer uma prova social e influenciar significativamente as decisões de compra de quem está “apenas olhando”.

Depois, as marcas podem fornecer outra visão dos artigos que estão oferecendo. Ao mostrar mais imagens de um produto, o consumidor pode ter uma melhor compreensão de como é um determinado tecido, se aquele jeans serve em uma pessoa mais baixa ou até como a cor do produto fica em uma luz mais escura, sem iluminação profissional. O UGC deve superar a realidade virtual (VR) a qualquer momento.

Dicas e técnicas para conteúdo gerado pelo usuário (UCG)

Confira algumas lições que aprendi quando atuei como gerente de projetos de UGC em uma das maiores lojas de moda da Espanha:

  • Procure influenciadores que estão em fase de crescimento. O custo de contratação de um modelo profissional é enorme, já alguns influenciadores até compartilham gratuitamente os recebidos que você enviou. E, se escolhido corretamente, esse influenciador pode ampliar a consciência de marca para um público-alvo mais amplo. As estatísticas mostram que 50% das pessoas visitaram um site para fazer uma compra depois de ver um produto ou serviço no Instagram.
  • Opte por uma combinação de UGC e vídeos profissionais. Por exemplo, no setor da moda, os modelos profissionais não representam de forma realista todos os tipos de corpo, por isso, as “pessoas normais” podem dar aos clientes as informações visuais que eles estão procurando de uma perspectiva mais tangível. Segundo estudos, combinar UGC e vídeos profissionais pode ajudar a impulsionar as vendas em até 35%
  • Quanto mais imagens/vídeos na página de lista de produtos (PDP), maior será a conversão. O que realmente causa problemas nos lucros e perdas das operações de ecommerce de moda são as devoluções. De acordo com pesquisas recentes com consumidores, 45% dos compradores online não comprarão um produto se as informações sobre ele forem insuficientes. Portanto, incluir mais imagens do produto significa dar mais informações sobre ele, além de reduzir as devoluções. 
  • Mostrar conteúdo orgânico no site faz o usuário se sentir especial. Selecionar, de todos os posts em que foi marcado, quais imagens mostrar no site de sua marca pode parecer uma tarefa entediante. E se você adicionar a etapa de pedir direitos, compartilhar o UGC em sua loja online leva ainda mais tempo. Mas o usuário marcou a marca por um motivo (ser notado), e se sua imagem acabar sendo exibida, ele sentirá mais lealdade, divulgará a marca e repetirá o processo, aumentando o valor da vida útil do cliente (CLV).
  • Há um senso de “comunidade” ao usar uma hashtag específica que o conecta a uma marca. Todas as marcas devem considerar ter sua própria hashtag específica e identificável, especialmente aquelas que visam os consumidores da Geração Z, que representam 40% dos consumidores globais.
  • Mantenha a marca. Pode parecer que nem todas as imagens compartilhadas no Instagram se encaixam na estética do seu site ou feed, mas aplicar um bom filtro e selecionar as mais relevantes pode ser fundamental para aumentar a taxa de conversão e o engajamento.

Uma situação vantajosa para todos

Independentemente se você estiver administrando um canal de ecommerce de moda ou uma loja online de móveis, implementar o widget que mostra o conteúdo dos usuários na página do produto pode fornecer mais informações sobre o produto que você está vendendo e dar um toque de realidade para esse SKU virtual. 

Ao mesmo tempo, ao compartilhar esse conteúdo e iniciar campanhas de UGC, você aumenta muito o engajamento dos clientes e persuade outros para que continuem publicando (e comprando) seus produtos. Ou seja, todos ganham com essa estratégia de marketing. 

Continue lendo: artigos relacionados
Tendência

Metaverso: o futuro do Social Commerce?

Disclaimer: este material foi desenvolvido a partir do conteúdo apresentado pela(s) marca(s) citada(s) durante o VTEX DAY 2022…

Isabella Feitosa
Isabella Feitosa
Tendência

Conheça os principais benefícios do Live Shopping

O Live Shopping (LS) será um dos canais mais promissores para o ecommerce nos próximos anos. Há um…

Lalo Aguilar
Lalo Aguilar
Tendência

Como adaptar o ecommerce às novas restrições do Pix feitas pelo Banco Central do Brasil

Benefícios do Pix para o ecommerce  Desde seu lançamento, em novembro de 2020, o Pix tem facilitado as…

Camila Isibara
Camila Isibara
Tendência

Como conteúdos interativos compráveis estão mudando a cara das compras online

Esta história é bem antiga: as marcas querem ser vistas por seus clientes e público-alvo, independente de estarem…

Gabriela Porto
Gabriela Porto
Tendência

O futuro do varejo chegou

O comércio digital cresce de maneira consistente, ano após ano, em todas as regiões do mundo. Porém, principalmente…

Rafa Forte
Rafa Forte
Tendência

Quais as novidades do “compre agora, pague depois”?

Discutimos anteriormente o que é o fenômeno do “compre agora, pague depois” (também conhecido em inglês como Buy…

Andreea Pop
Andreea Pop
Tendência

Social selling na indústria da moda

Comprar e vender sempre foram atividades sociais. Muito antes das redes sociais surgirem, as pessoas já engajavam em…

Larissa Coelho
Larissa Coelho
Tendência

Como a VTEX chegou a 60% de representação no Ranking da ESHOPPER

Conheça as principais funcionalidades da plataforma que garantem uma boa classificação no ranking que avalia a experiência do…

ESHOPPER
ESHOPPER
Tendência

Tendências futuras no ecommerce: Uma breve perspectiva

Se 2020 foi para muitos o ano da digitalização, 2021 certamente pertence à área do ecommerce. Enquanto os…

Sorana Gheorghiade
Sorana Gheorghiade
Veja Mais
Registro feito com sucesso