Produto

Pix no e-commerce: tudo o que você precisa saber

Cassiane Vilvert
Cassiane Vilvert October 8, 2020
Pix no e-commerce: tudo o que você precisa saber

Neste artigo, você encontrará todas as informações necessárias para entender o impacto do Pix no e-commerce, para lojistas, consumidores e empreendedores.

No início de agosto de 2020, o Banco Central (BC) anunciou oficialmente a instituição do seu novo sistema de pagamentos instantâneos, e um novo meio de pagamento, o Pix. O início da operação completa do Pix está prevista para dia 16 de novembro de 2020.

Mas, antes entender o impacto do Pix no e-commerce, vamos relembrar como as transações entre bancos funcionam hoje!

Atualmente, existem as seguintes possibilidade para realizar o envio de dinheiro entre pessoas com contas em outras instituições:

  • DOC (Documento de Ordem de Crédito): o dinheiro cai na conta de destino no dia seguinte, mas pode levar mais de um dia útil caso a transferência seja feita após às 22h. Além disso, o valor máximo que pode ser transferido por DOC é de R$ 4.999,99.
  • TED (Transferência Eletrônica Disponível): o dinheiro enviado à outra instituição será creditado na conta de destino até às 17h daquele mesmo dia. Não há um valor mínimo a ser transferido, e valores superiores a R$ 5 mil podem ser enviados;

As transações TED e DOC funcionam somente em dias úteis. Transferências feitas em finais de semana ou feriados nacionais, portanto, são completadas somente no dia útil seguinte, podendo levar dias para ser finalizada.

Com relação à pagamentos, estes podem ser feitos por boletos, cartão de crédito, e débito. No caso do boleto, também existem restrições de dias para fazer o pagamento e de usos e, para quem o emite, existe um custo.

O que é o Pix?

O Pix é um novo meio de pagamento eletrônico no Brasil, que possibilitará o envio e o recebimento de transações entre diferentes bancos e instituições financeiras, disponível sete dias por semana, 24h por dia, de forma on-line e instantânea, no qual a transação ocorrerá em até 10 segundos.

O que muda com o Pix?

O Pix será uma alternativa aos meios de pagamento já existentes. As transações efetuadas utilizando o Pix poderão ser:

  • Entre pessoas;
  • Entre pessoas e estabelecimentos comerciais;
  • Entre estabelecimentos;
  • Para entes governamentais (pagamento de impostos e taxas);

Para usar o Pix, será necessário que tanto o pagador (quem envia o dinheiro) quanto o recebedor (quem receberá os valores) tenham uma conta em banco, instituição de pagamento ou fintechs.

Não necessariamente essa conta precisa ser corrente. As transações também poderão ser feitas usando uma conta de pagamento ou poupança.

O que é Sistema de Pagamentos Instantâneos (SPI)?

SPI é o sistema que vai possibilitar transferências em tempo real entre as instituições participantes do Pix. Ele é gerido e operado pelo Banco Central, por meio do Departamento de Operações Bancárias e de Sistema de Pagamentos (Deban).

Segundo o Banco Central, o Sistema de Pagamentos Instantâneos é “a infraestrutura centralizada de liquidação bruta em tempo real de pagamentos instantâneos, que resultam em transferências de fundos entre seus participantes titulares de Conta Pagamentos Instantâneos (Conta PI) no Banco Central do Brasil“.

Quando o Pix começa a funcionar?

As transações via Pix começam a funcionar parcialmente no dia 3 de novembro de 2020 (em caráter de testes), a expectativa é de que no dia 16 de novembro o Pix esteja em pleno funcionamento.

De acordo o Banco Central, em 6 de outubro de 2020, mais de 10 milhões de “chaves Pix ” já foram cadastradas no sistema.

A “chave Pix” é a informação que identifica um cliente e a sua conta dentro sistema. Essa chave poderá ser um número de celular, um e-mail, o CPF ou o CNPJ. Pessoas físicas poderão registrar até 5 chaves por conta. Pessoas jurídicas poderão registrar até 20 chaves por conta.

O impacto do Pix no mercado de e-commerce

No mercado bancário, dado o preço baixo, caráter instantâneo e abrangência de público, o Pix deve se tornar o principal meio de transferência entre contas.

Além disso, com a entrada deste novo método de pagamento, a tendência é de que bandeiras baixem suas taxas para se manterem competitivas.

Qual o benefício do Pix para o e-commerce, lojistas, empreendedores e consumidores finais?

No comércio, o Pix significa uma nova possibilidade de pagamento, mais prática do que dinheiro e boleto bancário.

Para os consumidores finais, o Pix é uma opção adicional de meio de pagamento, que oferece agilidade e praticidade na transação.

Já para lojistas e empreendedores, ele traz alguns benefícios de negócio, como:

  • Liquidação imediata da transação, uma vez que os pagamentos vão acontecer diretamente entre pagador e recebedor, o que ajuda na saúde do fluxo de caixa dos lojistas;
  • Diminuição dos casos de reserva de estoque ocasionada por boletos, já que por meio do Pix a transação é efetuada na hora;
  • Diminuição de custos de transação para o lojista;
  • A abertura de um novo público de potenciais clientes para os lojistas, visto que o Pix poderá trazer para o mercado digital um público ainda desbancarizado;

De acordo com a análise do Portal Ecommerce Brasil, o Pix não necessariamente representa uma concorrência às modalidades de pagamento com cartão de crédito à vista ou parcelado, uma vez que estes continuam possuindo prazos de pagamentos próprios e favoráveis, do ponto de vista do comprador.

Para Maria Eduarda de Andrade Paiva, Senior Product Manager da área de Pagamentos da VTEX, de maneira geral, o Pix representa a democratização e a modernização do varejo online.

“O Pix irá colaborar para diversificar ainda mais o público que pode comprar na internet. Pessoas que não possuem um cartão de crédito, por exemplo, agora poderão utilizar esta nova forma de pagamento. Além disso, o Pix torna-se mais uma opção prática para quem já está habituado a usar Wallets – as carteiras digitais. Isso contribui para aumentar a penetração do e-commerce” comenta.


Como funciona o processo de compra no e-commerce com o Pix?

Lojistas deverão disponibilizar o Pix como um método de pagamento, que poderá ser escolhido pelo consumidor final no momento de fechamento da compra.

Ao selecionar o Pix como método de pagamento no e-commerce, um QR Code será gerado e apresentado ao consumidor na tela de Checkout.

Se o consumidor estiver realizando a compra utilizando o computador, basta escanear o QR Code usando o aplicativo do seu banco ou carteira digital. Caso a compra esteja sendo feita pelo celular, o consumidor deverá copiar o código gerado e colar no aplicativo do seu banco ou carteira digital. 

Pronto! Uma vez que o pagamento é feito, ele leva segundos para ser creditado na conta do lojista.

Utilizo a plataforma de e-commerce VTEX. Como começo a aceitar o Pix na minha loja?

A VTEX já está trabalhando para oferecer o Pix como um meio de pagamento, disponível para a integração de parceiros via “Payment Provider Protocol” e a documentação técnica estará disponível em breve.

Os meio de pagamento, instituições financeiras e fintechs que são parceiros, ou desejam ser parceiros VTEX, poderão iniciar suas integrações a partir do fim do mês de outubro de 2020, entrando em contato com a VTEX por meio da área de parcerias ou por este formulário.

Se você é um cliente VTEX, entre em contato com a instituição que intermedia os pagamentos do seu e-commerce e solicite a integração com a VTEX para começar a aceitar o Pix como um método de pagamento no seu e-commerce a partir de novembro!

Continue lendo: artigos relacionados
Produto

Por que o VTEX IO é ideal para grandes empresas de varejo?

Os grandes varejistas geralmente precisam implementar estratégias avançadas e interligadas para ter sucesso no ambiente do comércio digital.…

Allan Centurione
Allan Centurione
Produto

SmartCheckout VTEX: segurança e eficiência na finalização das compras online

Sabemos que o varejo digital vem crescendo de forma exponencial nos últimos anos, trazendo novas tendências e inovações…

Mariana Boese
Mariana Boese
Histórias de Clientes

Imaginarium inicia a digitalização dos pontos de venda com Indeva by VTEX

Da rede de 210 lojas da Imaginarium, 30 já começaram a colher os benefícios das soluções automatizadas e…

Vinicius Pereira
Vinicius Pereira
Histórias de Clientes

A Lupo conseguiu 89% de taxa de conversão em vendas pelo WhatsApp

Vender mais com lojas abertas ou fechadas? Sim, a Lupo conseguiu, e foi com uma estratégia comercial ousada…

Vinicius Pereira
Vinicius Pereira
Histórias de Clientes

Paquetá investe na rede de franqueados com Indeva by VTEX

A Paquetá The Shoe Company já integrou 30 lojas de Capodarte, Dumond e Ateliermix e, nas próximas semanas,…

Vinicius Pereira
Vinicius Pereira
Histórias de Clientes

A Usaflex cresceu de 70 para 7 mil acessos no WhatsApp das lojas

Em um varejo cada vez mais competitivo, a Usaflex saiu na frente e chegou a gerar 40 mil…

Vinicius Pereira
Vinicius Pereira
Produto

Os melhores aspectos do VTEX IO

Muitos desenvolvedores e especialistas em ecommerce se viram travados enquanto tentavam mudar elementos dos seus sites devido a…

Larícia Mota
Larícia Mota
Produto

Você sabe o que é split de pagamento e como ele pode otimizar a gestão do seu marketplace?

O split de pagamento é um sistema que permite dividir um pagamento digital de um consumidor entre dois…

Caroline Ribeiro
Caroline Ribeiro
Produto

Plataforma da VTEX agora disponível em búlgaro

Seguindo nossa meta de escrever o futuro do comércio ao redor do mundo, agora a plataforma VTEX está…

Larissa Dias
Larissa Dias
Veja Mais
Registro feito com sucesso