Estratégia

5 lições de omnichannel para empresas de moda

Juliana Sánchez
Juliana Sánchez October 19, 2021
5 lições de omnichannel para empresas de moda

Atualmente, a maioria dos compradores são clientes omnichannel, seja no mercado da moda ou em outro setor. O rápido desenvolvimento da Internet, o surgimento de smartphones e a avalanche de informações nos levaram a criar uma mentalidade na qual esperamos que nossas marcas mais queridas estejam presentes onde (e quando) quisermos.

Se formos ao shopping, esperamos que nossas marcas tenham lojas lá; se estivermos no Instagram verificando o perfil de nossa marca favorita, queremos poder comprar diretamente pelo app; se preferirmos conversar com alguém, vamos até o perfil WhatsApp Business da marca, começamos a fazer perguntas e exigimos não só ser informados, mas também poder comprar naquele meio. 

Cada um desses casos cotidianos nos mostra que os clientes já estão lá, já são omnichannel. Assim, é preciso se perguntar por que as marcas e os lojistas não estão pensando de forma omnichannel. De fato, ainda há um longo caminho a percorrer se considermos que apenas 47% dos lojistas acreditam que o omnichannel é muito importante em suas estratégias e jornadas de clientes.

Implementação do omnichannel para a indústria da moda

Há alguns anos, tive a incrível oportunidade de trabalhar em uma das empresas de moda mais importantes da Colômbia. Fui convidado para ser gerente de ecommerce e marketing digital, com um enorme desafio: construir essa área do zero. Eu estava nervoso, animado e bem consciente de que haveria muito trabalho. O que eu ainda não sabia é que aquela seria a experiência mais gratificante e a melhor escola que eu poderia pedir.

Da loja física para o omnichannel

Como a maioria das marcas de moda, a marca nasceu e foi criada a partir de lojas físicas. Esta empresa em particular tinha mais de 250 lojas em todo o país, e estava presente no mercado há mais de 30 anos, com resultados bem sucedidos e a possibilidade de crescer também internacionalmente. 

Mas, ao mesmo tempo, ela começou a enfrentar a nova realidade digital: para trazer novos clientes, e para tornar os clientes atuais mais valiosos, era necessário criar uma presença online robusta. A maioria de seus principais concorrentes já estava presente online e a empresa percebeu que o ecommerce não era apenas uma tendência: a nova oportunidade digital permitiu que o negócio continuasse crescendo em um ritmo diferente, sem a necessidade de gigantescos investimentos, como é usual nas lojas físicas. 

Em vez disso, em muito pouco tempo e com menos de um quarto do investimento, foi possível iniciar um novo canal de vendas com cobertura nacional (e até internacional). O mais importante era que o modelo atrairia a nova geração que a varejista de moda estava tão desesperada para conquistar.

A mentalidade por trás de uma abordagem omnichannel

Quando comecei o meu trabalho, a primeira coisa que fiz foi falar com cada área operacional e com cada pessoa responsável por todos os processos da empresa. Por quê? Minha convicção pessoal é que o ecommerce não é um fim; é um método. 

O ecommerce é o melhor transformador digital que qualquer empresa poderia ter visando ser omnichannel. Portanto, eu precisava saber como todos trabalhavam, o que funcionava, o que não funcionava, para garantir que a loja online seria um canal não apenas focado em si, mas que impulsionaria o crescimento de todos os outros canais de venda.

Lições para empresas de moda que se tornam omnichannel

Quero compartilhar com vocês alguns pontos-chave da minha experiência com omnichannel. 

1. O ecommerce não deve ser um concorrente para as lojas físicas 

A fim de evitar a chamada “canibalização”, é preciso criar uma loja de ecommerce que não use lojas físicas apenas como facilitadores de retorno, e sim como sellers reais de seus pedidos. 

Uma ótima maneira de tornar isso possível é integrar suas lojas físicas como centros de fulfillment de sua operação online, utilizando a opção de retirada na loja e/ou ship from store. Desta forma, as lojas conseguem multiplicar seu estoque (uma de suas principais preocupações), receber mais pedidos, obter mais tráfego de lojas e realizar mais vendas. Em última análise, elas terão mais chances não só de alcançar seus objetivos, mas de ultrapassá-los. 

De acordo com o Grupo Aberdeen, as empresas que vendem produtos e serviços com um engajamento omnichannel extremamente forte dos clientes veem um aumento de 9,5% na receita anual, em comparação com 3,4% para empresas com omnichannel fraco. Da mesma forma, as empresas com omnichannel forte notam uma diminuição de 7,5% ano a ano no custo por contato, em comparação com uma diminuição de 0,2% para as empresas com omnichannel fraco. 

2. Todas as áreas, sem exceções, devem estar envolvidas no processo de transformação digital 

Em uma operação omnichannel que permeia a experiência da marca, todas as áreas da empresa têm que estar envolvidas:

  • Ecommerce: tem que ser o catalisador e impulsionador dessa mudança; 
  • Logística: para criar opções de entrega personalizadas;
  • Finanças: para elaborar a estratégia de canal e garantir um P&L (perdas e lucros) saudável; 
  • Legal: para cuidar de todos os termos e políticas para estas vendas; 
  • Contabilidade: para ajudar a administrar novos meios de pagamento;
  • Marketing: para promover a nova experiência de compra e executar o marketing omnichannel;
  • Qualidade: para oferecer as melhores políticas de garantia e de retorno; 
  • Atendimento ao cliente: não apenas para receber novos contatos, canais de atendimento e ferramentas, mas também para ajudar a aumentar a satisfação e a fidelidade dos clientes.

3. Entenda a realidade da sua empresa antes de decidir como realizar a implementação 

Antes de procurar os parceiros adequados para o projeto, confira a checklist de perguntas que você deve fazer:

  • Sua empresa tem fotos de cada SKU no catálogo?
  • Sua empresa tem uma descrição completa dos produtos? 
  • Sua empresa tem a logística DTC pronta? 
  • Sua empresa tem uma equipe capacitada para administrar os novos canais de vendas? 
  • Sua empresa tem o orçamento necessário para montar a melhor loja online possível? 
  • Quais sistemas precisam ser integrados em sua loja para ter os melhores processos online e automatizados?

4. Obtenha suporte de nível C

Para que o canal de ecommerce (e a transformação digital em geral) tenha sucesso, é necessário ter o apoio total do CEO, dos proprietários e de todas as principais partes interessadas. Não se trata só de mais uma loja, mas de uma estratégia para virar o jogo, que levará toda a empresa a outro nível. Portanto, é preciso envolver cada pessoa da empresa.

5. Escolha os melhores aliados

Após ter verificado todos os passos anteriores, agora é preciso procurar aqueles aliados que tornarão possível a estratégia omnichannel. Aliados são todas as empresas envolvidas para levar a visão adiante: a plataforma de ecommerce, o gateway de pagamento, o serviço de logística terceirizada (3PL), o sistema integrado de gestão empresarial (ERP), o sistema de gestão de armazéns (WMS), a gestão de relacionamento com o cliente (CRM), a agência digital, a equipe de ecommerce, o serviço ao cliente, e a lista continua.  

No entanto, o mais importante é garantir que todos esses aliados apoiem a visão da sua empresa, e não o contrário.

O verdadeiro caminho do varejo

Uma vez que sua empresa tenha adotado essas ações ao longo prazo, o céu será o limite. Além de criar seu ecommerce B2C, você pode estar presente nos marketplaces ou inclusive se tornar um; globalizar seu ecommerce; criar aplicativos móveis da sua própria marca; rentabilizar suas mídias sociais; melhorar absurdamente a experiência do cliente; digitalizar suas lojas online e até seus canais B2B!

Mas lembre-se: não há fórmula mágica e as recomendações acima não são um guia passo a passo, pois não abarcam todos os possíveis aspectos que precisam ser considerados. Contudo, espero que depois dessa história você  reflita sobre o assunto e siga o verdadeiro caminho do varejo: o do omnichannel.

Continue lendo: artigos relacionados
Estratégia

O que é um marketplace: modelos in e out

O crescimento constante do comércio eletrônico resultou no surgimento de várias modalidades de vendas online. Talvez a mais…

Lalo Aguilar
Lalo Aguilar
Estratégia

Como o ecommerce e o marketplace andam de mãos dadas

Os marketplaces tornaram-se uma das tendências mais adotadas no espaço do ecommerce, e por bons motivos. As empresas…

Lalo Aguilar
Lalo Aguilar
Estratégia

Um guia para os diversos tipos de marketplaces

Os marketplaces (também conhecidos como e-marketplaces ou marketplaces online/digitais) são um modelo de negócio estabelecido na indústria do…

Andreea Pop
Andreea Pop
Estratégia

Líderes compartilham estratégias para obter suporte para a mudança de plataforma

A mudança de plataforma é muitas vezes vista pelas empresas como um “mal necessário” para sua operação de…

Lalo Aguilar
Lalo Aguilar
Estratégia

Os marketplaces de moda que estão levando a melhor no jogo do ecommerce

Os marketplaces, caracterizados por contar com múltiplos sellers terceirizados que vendem em um único ponto de contato e…

Andreea Pop
Andreea Pop
Estratégia

Time-to-market: O truque na manga para sua transformação digital

É evidente que o time-to-market (TTM) é extremamente significativo para qualquer transformação digital. Quanto menor ele for, mais…

Andreea Pop
Andreea Pop
Estratégia

As mais rápidas migrações de ecommerce

O time-to-market (ou time-to-revenue, como às vezes chamamos) é extremamente importante para qualquer projeto de transformação digital ou…

Andreea Pop
Andreea Pop
Estratégia

Migração de plataforma de ecommerce: superando a resistência à mudança

As empresas, assim como as pessoas, podem ser relutantes a mudanças. A proposta de superar a incerteza pode…

Lalo Aguilar
Lalo Aguilar
Estratégia

Estratégias fundamentais da equipe da VTEX em um projeto de migração de plataforma

Ao migrar sua plataforma de ecommerce para um fornecedor diferente, torna-se ainda mais importante compreender quais são as…

Gabriela Porto
Gabriela Porto
Veja Mais
Registro feito com sucesso